Série experimentações- Manual de como batizar um livro


Advertência: o batismo exige algumas preparações e prévia confissão de fé. Se não estiver preparado volte para a gaveta.
Se optar por seguir, siga as instruções:
1. Escolha do nome
1.1 Dê-lhe um nome;
1.1.a. não importa qual, quando muda de país troca-se;
1.1.b. selecione dois ou três nomes, ou mais, ou talvez, coloque em papéis brancos, cortados em retângulos idênticos e jogue num embornal, sacuda e retire um retângulo que será já diferente dos outros pois foi o escolhido;
1.1.c. se não gostou, dê-lhe como nome de batismo “retângulos”.
1.2. Siga em frente.
2. Escolha da madrinha e do padrinho
2.1. Dê preferência para alguém com espírito crítico, mas atenção, olhe onde pisa, perigo: veneno.
2.2. Opte por alguém que vai ressaltar as qualidades do autor e da obra, escondendo do leitor suas imperfeições;
3. A sagração
3.1. Lance como água sobre a testa o nome:
3.1.a. na capa;
3.1.b. nas orelhas;
3.1.c. na lombada;
3.1.d. na folha de rosto;
3.2. corrente às margens das páginas, para que não tenha opção de renegar a escolha.
4. A purificação
4.1. Estará sacramentado.
4.2. O batismo perdoa todos os pecados originais:
4.2.a .do autor;
4.2.b. das personagens;
4.2.c. do leitor.

(GeraldoCunha- produzido para a Oficina de escrita O verbete, a lista, o manual)

Série poema curto – o que restou de nós?


Só restou nossa música,
Que o tempo não apaga.
É onde você vive em mim.
É ao que ficamos reduzidos.
Uma melodia e ritmo,
Sem nenhuma harmonia,
Mas eu não deixarei de dançar!
(GeraldoCunha/2020)

Poesias rasgadas


Não era poeta, era ninguém.
Em meio ao vazio do cotidiano não era ninguém.
No percurso, palavras, frases e versos sequestrados.
Palavras extraídas dos letreiros que iam ficando.
Frases de soslaio roubadas das conversas triviais.
Versos surrupiados dos objetos e olhares distantes.

Era poeta. Era ninguém.
Aprisionadas em um diário secreto.
As palavras não se queriam solitárias.
As frases sentiam-se incompletas.
Os versos tentavam fazer algum sentido.
Sem liberdade conformavam-se em poesia.
Em meio ao vazio existencial era poeta.

Não era ninguém, era poeta.
Poeta de versos que nunca seriam lidos.
Poeta que se escondia atrás da rotina e melancolia.
Poeta das segundas a segundas.
Poeta de versos guardados.
Poeta que só na intimidade se conhecia.

Não era alguém, não era poeta.
Se a intenção do destino era o cárcere.
Outro foi o que do gesto se podia esperar.
Todas as poesias foram rasgadas.
Em minúsculos retalhos espalhadas.
O chão se encheu de poesias misturadas e desesperança.

Era poeta, era alguém.
Se o intuito era negar o sentimento.
Nem tudo precisa ser sempre igual. O destino pode indicar o contrário.
Em páginas em branco a serem preenchidas.
A esperança como rotina.
Letreiros, esquinas, um cão sempre a espera.
Não era ninguém, não era poeta, era cotidiano.

(Poema despretenciosamente inspirado no filme Paterson).

(GeraldoCunha/2020)

Aves


Desenho pássaros no papel
Que de asas abertas não voam.
Na rua, observo pela janela, os pombos.
Passeiam na rua deserta, alimentam-se.
Voam de um lado para o outro.
Voo baixo, displicente.
Senhores das ruas.

E os pássaros aqui dentro não voam!
São mais coloridos,
Mas não voam!
Presos à folha branca,
Não percebem o céu,
Sem as cores do azul.

E lá fora, no céu, rajada de avião.
Corta as nuvens decepando-as,
Um rastro que se vai deixando,
Aos poucos encoberto e some!
Os pássaros sobre a mesa,
Dispostos no papel não voam.

Transformo em avião o papel.
As aves se escondem sob as dobraduras.
São só cores que se misturam nas asas.
Seguro pelos dedos voam pela janela,
Alcançam o céu e gira em círculos
E os pombos, lá fora, voam para longe!

(GeraldoCunha/2020)

Chuva


Gosto dos barulhos da chuva.
Quando leve,
É sinfonia que faz acalmar,
É melodia que embala o pensar,
É fluidez!
Quando forte,
Anuncia-se sem temores,
Causa tremores,
Tanto arrasa quanto limpa!

Gosto da água que cai.
As gotas que batem na janela,
O cheiro da terra molhada vindo de fora,
Convidando-se para entrar,
Escorrem pelo vidro
Procuram frestas
Molham o chão.

São torrentes que escorrem,
Traçando seu próprio caminho,
Invadem sem pedir licença,
Avançam rumo ao lago, ao rio, ao mar,
O pouco que terra não conseguiu drenar.

(GeraldoCunha/2020)

(Colaboração Eliana Cunha)

Série experimentações: Coisas que compõem o corpo


O dedão do pé;
A quina da cama;
A unha encravada que doí;
A tatuagem que não fiz;
Ronco;
O peito que bate acelerado;
A vertigem;
A saliva escorrida entre os lábios;
A noite que abandona o sono:
O pensamento!
Não sai pela boca e atordoa.
O peso;
O preço pelo doce que não ficou na vitrine;
Os olhos famintos;
Os cheiros que atravessam a narina;
Engasgo com farelo de pão;
As dores todas;
A insistência em olhar no espelho;
A persistência em esconder os cabelos brancos;
As rugas que sulcam a face;
Os passos…

(GeraldoCunha/2020)

Texto produzindo para a oficina de escrita: O verbete, a lista, o manual”, março/2020.
Novas formas de poetizar

Série títulos – rede de intrigas


Fulano disse isso de Sicrano. Eu não sou Fulano nem Sicrano. Não digo nada Beltrano. Só digo que Fulano é fofoqueiro. Sicrano não fica para trás. Estes dias dizia de ti. Mas não digo para não criar intrigas. Não sou destes. Beltrano não seja intrigueiro. Se insisto digo apenas que Fulano não vai bem. Mas isto não é falatório. É constatação. Sicrano fala por não ter nada de si a dizer. Diz dos outros. Eu não. Vivo da minha vida Beltrano. Assunto por demais tenho de mim mesmo. Não há tempo para para gastar seja com Beltrano ou Sicrano. E deles dizem que desdizem o que digo. Mesmo dizendo-lhes que não digo nada a não ser de mim.

(GeraldoCunha/2020)

Silêncio dos olhos


Hoje quis não enxergar as palavras,
Fazer com que silenciassem na mente.
Deixando de perturbar meus pensamentos.
Que tudo fosse um apagão.
Preciso descansar das palavras.
Quero um livro que não aceite as letras.
Que seja uma compilação de poemas nunca escritos.
Páginas e páginas em branco,
Passadas uma a uma caladamente.
Mas quando estou para cair
E vozes incessantes me atordoam,
São as palavras que me restauram.
Hoje preciso que fiquem mudas!

(GeraldoCunha/2020)

Série experimentações- ERROS


Escrevi
Errei
Rasurei
Apaguei
Rabisquei
Recomecei

Datilografei
Errei
Encobri
Corrigi
Puxei
Conformei

Digitei
Errei
Deletei
Teclei
Gostei
Imprimi

Vivi
Errei
Consertei
Errei
Aceitei
Vivi

(GeraldoCunha/2020)

O terno


Hoje vesti meu terno tristeza,
Para dignificar minhas lágrimas.
Joguei meu corpo no sofá,
Estático para não me amarrotar.
Estava triste por simples estar
E assim fiquei sem me desalinhar,
Observando os vincos cuidadosamente alinhados.
A tristeza não precisa ser deselegante.
Por descuido não havia lenço no bolso.
Peça antes obrigatória como a alegria,
Ficou esquecida em algum lugar
E as lágrimas não tiveram aonde irem a pousar.
Fizeram-se riacho por secar aos punhos.
Descalços os pés das meias abandonadas,
Como o entusiasmo de outrora,
Que saiu pela porta sem pedir licença e não sabe regresso.
O frio gelo do tempo penetrava
E a barra tipo italiana não segurava.
Dois abotoados botões agarrando a vida.
No profundo da tristeza permanecia,
Mas o que incomodava eram mesmo uns fiapos
Que os dedos indelicados não removiam do termo preto.

(GeraldoCunha/2020)

Série Poema de improviso – Indiferença


Todos cuspindo sentimentalidades
Trancados nos seus mundinhos.
Todos surdos pelo egoísmo
Traem os próprios sentimentos.
Todos clamando por visibilidade
Tapam os olhos para o sofrimento alheio.Todos ingênuos arrogantes
Tentando escapar de suas bolhas.
Todos somos nós implorando atenção
Tiranos no mundo que criamos.
Todos defendendo uma razão
Transfigurada de sensibilidade.
Todos sempre solitários
Tramando uma revolução.

(GeraldoCunha/2020)

Série Poema de Improviso: Fantasia


Fantasiei de vida os meus restos,
Atrás da fantasia me escondi,
Ficando refém das máscaras,
Hoje sou a representação
Dos personagens que visto.

Quem me vê enxerga um traje,
Um folião a brincar com a multidão,
Mas não! o que se vê de mim,
São meus olhos tristes,
Destoando da minha euforia.

(GeraldoCunha/2020)

Divagação 83


Por onde passo querem curar minhas dores medicando, aplicando terapias, indicando mantras, fazendo orações, quando o que é preciso é só um abraço sincero e um ombro amigo.

(GeraldoCunha/2020)

Visita ao passado


Visitar o passado é se decepcionar.
As coisas já não são como eram.
Mudanças pelo abandono ou pela transformação.
O melhor é guardar na memória,
Se aquele lugar ou aquela pessoa representou algo de importância.
Deixa lá! na memória, na lembrança, na … saudade!
Não se volta para ver o castelo de areia.
Ele não estará mais lá,
Pois foi descontruido pelas ondas,
Destruído pelos pés do homem ou
Invadido por outras mãos e transformado.

(GeraldoCunha/2020)

Série Poema Curto – Passos


Os meses passam…
E eu lentamente.
Lenta a mente!
E os passos?
Passo a passo…
Lentos nos dias.
E os dias?
Largos nos passos!
Os dias passam…
E eu não passo.
Preso na horas.
Conto os segundos…
Segundos passam.
A passos lentos!

(GeraldoCunha/2020)

Série Open- Torre de Babel


não falamos mais a mesma língua, Sem uma conexão na Torre de Babel. estranhos conhecidos de outrora, Perdidos em palavras dissonantes. duas solidões não conversam. lábios que se movem Para ouvidos surdos pelos próprios pensamentos. olhares que se cruzam e Não se veem. quem somos nesta relação. não sabemos mais E culpamos o tempo. sempre o tempo a desculpar E o tempo é linear. li esta frase em algum livro E compreendi. fragmentadas são as relações, Pelo desgaste que provocamos Pela ausência. que Não é distância física É abandono do sentimento. Desprezo pelo Sentir um do outro E as palavras vão se ressignificando Sem compreensão, Quando nos acomodamos. tudo é tão simples, Mas queríamos alcançar o céu E foi nossa ambição. hoje não sabemos quem somos.

(GeraldoCunha/2020)

Poeta da solidão


Sinto uma solidão imensa,
Mas quero estar sozinho,
Para sentir a saudade:
Dos braços acolhimento,
Do toque sedução,
Do colo aconchego.
Não aprendi a amar!
O pensar do amor
Foi arremedo de gostar.

Os poetas amam a solidão!
Afastam-se da realidade
Para sofrerem por demais,
Iludidos pelas emoções,
Enamoram-se das palavras.
Esquecem de amar
E observam a vida a passar,
Como páginas em branco
Arrastadas pelo vento.

Na solidão das palavras,
O querer estar junto é ilusão,
Realidade que perdeu para ficção.
E o vulto do amor escapa:
Pelo reflexo do espelho,
Pela penumbra da cortina,
Pela sombra que cruza a esquina.
Não há quem fique à espera
De quem está só amando o vazio!

(GeraldoCunha/2020)

Série Títulos: Caverna do Dragão


Os infelizes vivem. Não percebem a felicidade que passa. Enquanto isso gritam e choram. Buscam uma saída sem saberem o que há do outro lado. Só querem fugir. Só querem retornar. São felizes não sabem. Acreditam que a felicidade está lá fora. Insistem na felicidade que ficou no passado. Tentam uma saída para o escape das mazelas. Sempre voltam ao começo. Vivem e não percebem a aventura. Têm medo da felicidade. Do presente e do futuro. Acreditam que ao alcançarem a felicidade serão plenitude. E morrerão tentando ou serão castigados. Não enxergam as recompensas. Seguem infelizes os viventes. Enquanto a felicidade lhes sorri. Sorri para o vazio dos que a buscam. Os infelizes acreditam que a felicidade é o amanhã. Pobres coitados.

(GeraldoCunha/2020)

Série Visitando 2016 (tudo começou assim…) Crônicas de um sujeito sem rumo

Fazia planos todas as noites, esperando começar a realizá-los logo que o dia amanhecesse.Mas o sono não vinha, se vinha era por pouco tempo, sobrava tempo para mais reflexões.

Mais planos eram idealizados, diante da percepção de que muito ainda podia ser feito para alterar por completo aquela vida que estava ali, por tanto anos, parada, no mesmo lugar, sabotando qualquer tentativa de fazer diferente.

Amanheceu. Agora sonolento pela noite mal dormida, já não se lembra de todos os planos traçados, os poucos que se recorda pensa que podem ficar para outro dia, o sono tardio convida a ficar na cama.

Desperto, já tarde do dia, percebe que nada mudou, acordou, tomou café, ouviu a música de sempre, comeu a refeição e deitou novamente, depois de tentativas de sair daquela rotina.

Já não importavam os planos traçados na noite anterior. Dentre os poucos de que ainda se recorda, para cada um, uma desculpa para começar a colocá-los em prática mais tarde.

Com a tarde indo embora e a noite querendo se mostrar, percebe-se sem rumo. Nada fez, permitiu que a vida continuasse exatamente como está. Fez um lanche, comeu uma fruta e tomou um gole de café.

Em frente à televisão hipnotizado e sem esperança, fazendo-se acreditar que os planos não eram para hoje e que poderiam ser colocados em prática amanhã, quando aquelas desculpas já não fizessem mais sentido e outras não pudessem ser inventadas, espera por nada, até a hora de tomar um copo de leite e deitar novamente.

Anoiteceu, deitado, é hora de refazer os planos, pensar nos motivos e desculpas que impediram fossem realizados e ter esperança de que estes novos planos lhe darão um rumo diferente, mas o sono não vem.

(Geraldocunha/2016)

Olhos baixos

De olhos baixos
Não vi o CÉU.
Esqueci das estrelas.
Firmei o pés no CHÃO.
Criei raízes de rancor,
Que fizeram florescer ESPINHOS,
Que mais feriram do que PROTEGERAM.
Sem FLORES,
Sem CÉU,
Sem ESTRELAS,
Sem VOCÊ,
Eu CHÃO.

(GeraldoCunha/2020)