Série desempoeirados poemas – Bagunce tudo e fique

Série improváveis- nosso tempo

Todos temos nosso tempo
para tomar decisões
para fazer o que nos propomos
para não fazer nada

Todos temos nosso tempo
para não importar
para gritar
para parar tudo

Todos temos nosso tempo
e temos a pressão
do para ontem
do para agora
do correr contra o tempo

Todos temos nosso tempo
e o livre arbítrio de dizer
agora não!

(GeraldoCunha/2022)

Série cotidianos – Folha verde

Série O poeta – Sangra

Série sentimentais – aqueça

Desempoeirados poemas- Cores

Série O poeta – Bloquinho

Folheadas as páginas

do bloquinho de anotações

carregado no bolso da camisa,

amassado, macerado pelo tempo da escrita e das rasuras, observa o

branco contraste do ontem escrito com o cinza dos sentimentos que não afloram. O papel não segura o risco do grafite.

O poeta descansa o toco do lápis no canto da boca,

olha para o horizonte, enxerga um infinito sob a copa das árvores, respira, fecha o bloquinho, o recoloca no bolso e volta a caminhar.

Caminhar hoje é a poesia.

(GeraldoCunha/2022)

Minissérie Pássaros- Sofrê / Corrupião

Minissérie Pássaros- Gaturamo / Fim/fim

Minissérie Pássaros- Alma-de-gato

Minissérie Pássaros – Pássaro preto

Minissérie Pássaros – apresentação

Lançada originalmente no Instagram esta minissérie de desenho a cores e versos é sobre os sentimentos que os pássaros, os desenhos e as cores nos transmitem.

Não tivesse eu me arriscado nos traços e na escrita e me desavergonhado de mostrá-los não teria enxergado a beleza de tantas descobertas e os tantos caminhos que se abrem.

GeraldoCunha/2022

Série cotidianos – o vento e o tempo

Os pássaros desenham na janela

[cânticos

O beija-flor raro com o sobrevoo suas asas

minhas asas

desenhamos mandalas

[na varanda no reflexo do vidro no pensamento no papel

as plantas agradecem o frescor

brisa no esguicho da água

umedece a terra

alimenta pela raiz

O vento

sempre é o vento

que derruba o lápis

sacode as folhas

sopra no ouvido

leva o beija-flor

suspiro

onde está Bibiana?

nostálgico

esquecido dos pensamentos

volto ao papel

e desenho recordações

o tempo é o vento

“Nasci em um dia de vento, como esse, e a velha tesoura de minha bisavó me separou de minha mãe.”

(O tempo é o vento – Érico Veríssimo)

GeraldoCunha/ 2022

Série sentimentais – É preciso

Série desempoeirados poemas – Aos mestres com amor

Série de improviso- Seja feliz

Seja!

Arraste os móveis para o canto

(Quem nunca pensou nisto?)

Assente a vergonha na cadeira mais distante.

E dance!

(Quem nunca fez isto, que atire a primeira flor)

Ligue o som, apague a luz

e…

Seja

Feliz.

Você.

e

não se julgue.

Assente os preconceitos nas cadeiras (aquelas que estão ao lado da vergonha).

Se for da ousadia,

Abra a porta e os expulse junto com a vergonha!

(GeraldoCunha/2022)

Ilustração GeraldoCunha

Série improváveis – Traços

Não persiga a beleza fugaz.
Não busque a perfeição
[dos traços.
Alcance a delicadeza dos sentimentos,
transmitidos pelos riscos na pele.
Deseje conhecer os segredos de cada uma das cicatrizes
e ame, ame, ame… o que nelas é representação de um trajetória:
Pois o final é só o não existir de quem vai,
sustentado pela saudade de alguns que ficam.

(GeraldoCunha/2022)

Série O poeta- o que resta é o apontador

Sem quase perspectiva,

deixei desarrumada a cama,

as roupas ficaram espalhadas,

quis as cortinas cerradas,

os papéis amassados,

atirados,

ficados à mesa,

jogados ao chão,

pisoteados.

Sobre a mesa debrucei

os restos de mim,

e só fiquei,

corpo jogado,

além de mim,

papéis, brancos amassados papéis,

sem expressão, sem impressão.

Lápis derrubado,

esquecido, desapontado.

Uma réstia,

de mim,

de luz,

fresta,

de olhos.

Um apontador,

um não desistir,

Um cansaço de não mais,

[vencido?

Encorajados rabiscos,

uma ponta afiada,

um papel desembolado,

uma cena,

sobre a mesa,

perspectiva…

um poeta adormece.

(GeraldoCunha/2022)

Série desempoeirados poemas- Prateleiras

As prateleiras da minha estante são bagunçadas.
Não separo meus livros por assunto, autoria ou região,
Todos que lá estão são importantes ou não estariam.
De tempos em tempos mudos-os de seus lugares,
Dicionários estão espalhados por todos os lados,
Para que não permaneçam mudos e conversem entre si.

Em meio ao monótono dos livros enfileirados ou sobrepostos,
Provoco o caos revisitando memórias e momentos congelados.
Espalhando lembranças de lugares idos e de saudades tantas.
Faço dos livros a companhia para os objetos presenteados,
Digo quem sou através daqueles colecionáveis,
Esperando que escrevam a minha biografia.

GeraldoCunha- o ano foi 2020

Série cotidianos – Cultivo

A planta que você me deu morreu!
Penso que teve todos os cuidados de minha parte.
Mesmo assim, foi definhando e morreu. Eu me penitencio, faço auto julgamento. E não entendo.
Escolhi o melhor lugar, para colocar o mais bonito vaso, que chegou inundando dos afetos.
Talvez tenha havido excessos para mais? Se me permite a redundância.
De água, de adubo, de carinho. Dizem que carinho pode sufocar, disto não sei! Sigo acarinhando!
Pode ser que tenha sido excesso para menos. E nem sei se excesso é conta que se faça para menos!
O menos de água, o pouco do revolver a terra, o abandono pelas ausências sem aviso prévio, falta de ar das janelas fechadas. Conquanto tudo isto, carinho de menos não teve! Meu olhar sempre foi de alegria, a cada encontro e reencontro. Satisfação com as conquistas, uma folha que surgia, motivo de comemoração. A tentativa da flor, êxtase. Não bastou. Mesmo no silêncio da resposta conversava, tentava compreender, pelos gestos, no movimento das folhas.
Se falhei foi culpa dos excessos, para mais e para menos. Reconheço os meus excessos.
Sigo, tentando encontrar o ponto de equilíbrio!

A planta de você me deu morreu!
Mas antes de partir me deixou uma pequena mudinha, que ainda insisto em cultivar!

Escrevo este desabafo em forma de poema
e deixo publicado em um livro!
Porquê você também não está mais aqui.

(GeraldoCunha/2022)

Série listas – vazios

A mente e seus subterfúgios

Um buraco oco oco oco

O coco oco oco

O silêncio do eco

sem o qual os ouvidos

não escutam o

ecooooooo

A noite sem os carros.sem os pássaros.sem os passos.

Ausência!

Casa sem o botão

cerzido às pressas

desprendido das costuras

O lado de dentro da metade do copo do insatisfeito.

A sede, vazio de água!

Concha recolhida na praia

aos ouvidos esvaziando o mar

que é vastidão de vazio

Multidão cruzando ruas, esbarrando-se, transgredindo o

sinal, apressadas, falando ao celular, buzinas, buzinas…. tantas buzinas e a sirene da ambulância que para de tocar no meio do trânsito …. não há mais tempo, só um corpo sem alma.

(GeraldoCunha/2022)

Minissérie Manual poético da matemática básica na íntegra – com poema inédito depois dos créditos

Expressões numéricas

Sou.
Somos.
Números que sofrem
operações matemáticas,
com ordem preestabelecida,
com prioridades.
Potenciação e radiciação.
Potências e raízes,
em primeiro lugar,
quando não há
colchetes, chaves ou parênteses
e na vida há
ou haverá.
Multiplicação e divisão,
em segundo lugar
E
por
último,
adição e subtração.
Contas das diferenças.
Convivência.
Operação básica

Quando
Não
Somos
Sou
Subtração
Divisão
Se
Somos
Adição
Sou
Multiplicação
Equação

Sentença
Sou
Expressão
Algébrica
Matemática
da
igualdade
Incógnita
E
Seu valor
Números
Encontros
Letra
Somos
Conjunto dos números

Reunião
De
Elementos
Ou
Não
Elementos
Situações
Universo e o vazio
Sou
Somos
Representação
Diagramas
Naturais. Inteiros. Racionais.
Irracionais.
reais e complexos.
Somos.
Algébricos, Transcendentais, Imaginários
Fração

Sou
Uma
Fração
Do inteiro
Neste
Conjunto
de
Números racionais
Partes
De
Um
Todo
Somos
Divisão
De
Partes
Iguais
Expressão
Da quantidade
A partir da razão

Texto & Artedigital – GeraldoCunha

Pós- créditos… no WordPress:

Álgebra

Sou

Álgebra elementar

A variável

Somos

Números

Expressões manipuladas

Usando as regras impostas

Adição

Multiplicação

Somos resoluções de equações

Série Surtados

Série surtados – Cortem-lhe a cabeça…

Série títulos – Dogville

Série títulos – Dogville
Dogville é um filme lançado em 2003 e dirigido por Lars von Trier. Quando me foi recomendado…anos depois …assisti….revi…comprei o dvd (ainda era assim). Fiquei impactado e sempre fico quando revisito. É um soco no estômago.
Recentemente tive a oportunidade de, na companhia de @elianaecunha , assistir no teatro a montagem com direção de Zé Henrique de Paula e Mel Lisboa no papel de Grace, que no cinema foi de Nicole Kidman. O impacto foi o mesmo.
Só para finalizar acho @mellisboa uma das grandes atrizes do nosso teatro.

Série o outro lado da janela- Florais – brotados

Série especial- retrospectiva divagações & pensamentos

Improváveis – Livro de poemas (GeraldoCunha)

Uma ótima leitura para começar o ano de 2022

Poesia leve, falando sobre o cotidiano, sentimentos, vivências.

Aquisição https://editorialcasa.com.br/produto/improvaveis-livro-de-poemas/

Venham compartilhar desta experiência comigo.

Pode ser adquirido também pela Amazon e em loja física na Martins Fontes Paulista.

Ou caso prefira…mande um direct pelo Instagram @divagacoes.geraldocunha (aqui com possibilidade de ir autografado)

GeraldoCunha/2021

Série aldravia

Série experimentações- Aldravia

*

generosidade

no

conforto

de

palavras

acolhimento

*

sentido

amor

um

hiato

dois

corpos

*

suave

coração

carinhos

riqueza

no

dedicado

**

ALDRAVIA – É uma poesia composta por seis linhas poéticas resumida em palavras que exprimem grandes emoções.