Alma gêmea


Não quero pessoas intocáveis, preciso sentir o tato, o cheiro, o sabor e escutar sussurros desassossegados.

Desavergonhadamente quero tocar, cheirar, saborear e silenciar.

Calorosamente quero o toque, o sentir, o saborear e abafar o som da sua voz.

Atrevidamente quero ser tocado, sentido, saboreado e escutado.

Calmamente quero não tatear, não cheirar, não sentir e não escutar, candidamente adormecendo em seus braços.

(GeraldoCunha)

Indiretas (insanidades)


Não gosto das indiretas,
quase sempre acho que são para mim
e gasto horas tentando interpretar
e me encaixar no perfil descrito.

Quando não isso,
outras horas tantas
gasto tentando adivinhar
para quem foram direcionadas
ou qual a circunstância que levou a isso.

É sempre um fardo para mim,
pois aflora uma fraqueza que tento não ter,
mas que tenho e por não conseguir não tê-la,
escondo bem lá no fundo do meu ser.

Aí vem a indireta lançada a quatro ventos,
com endereço certo,
por certo não para mim,
e eu divido com este não sei quem
a dúvida e a certeza da insatisfação do outro.

Pelo menos neste ponto sou um ser solidário.
Fosse eu egoista,
deixava para o outro
a certeza da indireta.

(GeraldoCunha/2016)

Personalidades


Este aí que você vê não sou eu
É apenas o reflexo de uma personalidade
Outras tantas personalidades se escondem
E vão se revelando quando acham conveniente
São tantas e não há conflito do lado de cá
O conflito quando se trava é com o outro lado
A depender da personalidade que se revela
E com quem se cruza pela caminho
À noite todas voltam para casa e dormem de conchinha
Depois que todos os espelhos se voltam para as paredes
E a luzes se apagam escondendo uma a uma as sombras

(GeraldoCunha/2019)

Credite-se


Acredita
Que é feliz
Que tudo passa
Que dias melhores virão
Que isto não é ilusão
Que nada fica
Que é vida

Acredita
Se decidiu ir
Pode também voltar
Para sempre só a morte
Pode também ficar
Não é desistir
É escolha

Acredita
Nos sonhos
Nos projetos de vida
Nas promessas de amor
Que nos alimentam
Que impulsionam
Que inspiram

(GeraldoCunha/2019)

Não dê ouvidos


Não leia esta poesia
Que vai te fazer chorar
Cada lágrima derramada
Foi um sonho abandonado
Um amor não correspondido
A amizade que se foi esquecida

Não dê ouvidos ao que digo!

Não leia esta poesia
Que vai te fazer lembrar
O tempo que não estivemos
As escolhas que nós fizemos
As consequências que suportamos
Os fardos que todos nós carregamos

Não dê ouvidos ao que sigo!

Não leia esta poesia
Que vai te fazer pensar
Nos tantos desejos contidos
No silêncio não interrompido
Nas palavras não pronunciadas
Em cada pergunta que não foi respondida

Não dê ouvidos ao que penso!

Não leia esta poesia
Que vai te fazer se indignar
A cada verso que está sendo lido
Com tanta solidão compartilhada
Com todas as injustiças cometidas
Com as diferenças não compreendidas

Não dê ouvidos ao que sinto!

(GeraldoCunha/2019)

Humana poética


A poesia
é o encontro com o Eu mais humano
A Minha direção
na realidade crua que cega
O norte
para os Meus anseios mais loucos
O porto seguro
dos Meus devaneios

O Meu corpo
é poesia exalada pelos poros
O íntimo
extrapolado das Minhas feições
O humano incondicional
que Me habita
O extravasar
das Minhas entranhas

(GeraldoCunha/2019)

Café da manhã


(@divagacoesgcc.geraldocunha – mais um canal de interação)

Derrame a xícara com fel na pia
E nos sirva um café coado na hora
Ponha uma colher de mel para adoçar
Duas gotas de chocolate para meu bem estar
Sente ao meu lado e vamos degustar
A manhã que se inicia
A notícia que não é novidade
Que o amargor escorra pelo ralo
E os aromas nos envolvam as narinas
E que o dia comece assim
Sem mágoas
Sem rancores
Só amores
Uma tela em branco
Pronta para ser pintada

(GeraldoCunha/2019)