Série sentimental- criança

Série cotidianos- melodiosa

a chuva avançou pela janela

entreaberta o som do zinco se [banhando ecoava

melodiosa escorria pelo telhado

suave harmoniosa cadenciada

os pássaros recolhidos não me acordaram

é sábado domingo feriado não sei

eu recolhido embalado

[no tempo do agora

este som do vento frio que assusta os sentidos

convite para ficar no corpo adormecido

desejo de arrastar a cortina e flutuar na brisa

invadir o espaço que é dela

[a chuva

vestir de sua transparência

pentear seus fios que escorrem dos cabelos

sentir os gelados dos pés

pisando nas poças

ou só ficar nos ouvidos

os olhos cerrados

entoando as notas musicais

(GeraldoCunha/2021)

Improváveis- livro de poemas EM BREVE

Série cotidianos- replantio

De uma estação
à outra,
folhas nascem, crescem, secam, caem e as flores espalham o pólen;
à outra,
os galhos finos, engrossam, envergam, escurecem, cascam e descascam… secam a seiva e desabrigam as folhas;
à outra,
os pássaros, vermelhos, cinzas, todas as cores, cantantes, papagaios e … os beija-flores… meus encantamentos; besouros e mais insetos, morcegos, todos não serão mais, além do seu tempo;
à outra;
o sol mais quente, sem as águas certeiras, sem março, junho, setembro, dezembro nos desajustes, nos desencontros, nas inobservâncias do insubstituível.
Um dia esta árvore em poema restará, não estará mais aqui, nos não estaremos, naturalmente;
à rua restará os concretos, asfaltos, carros, as estações e um canteiro ao replantio.

(GeraldoCunha/2021)

Série sentimental- paciência (in)sano ser

Série desempoeirados poemas- só queria dizer

Na série desempoeirados poemas, trago de volta a série open… meu divã imaginário.

Série desempoeirados poemas- ausência conformada – sinais

Na série desempoeirados poemas, trago de volta a série open… meu divã imaginário.

Série sentimental – vibes

Com um pequeno gesto

Vibre!

A conquista não tem tamanho

O frasco pode ser pequeno ou grande ou médio

Quando aberto

Exala na mesma intensidade

O perfume

Então vibre!

A vitória da superação

Qualquer

Não espere

Vibre!

A cada traço passo

O resultado

Não espere para o final

Vá na oscilação

(GeraldoCunha/2021)

Série o poeta

Série dedicadas às pessoas que amam amar a arte de escrever e ler

Gratidão!

Série desempoeirados poemas – Cadê meu analista?

Série de improviso- vestes veias verdes

Série uma saudade – episódio 5

Série uma saudade – episódio 4

Série uma saudade – episódio 2

Série enigmático

Reeditado- Útero

Série poema curto- pedregulho

Série poesia concreta- encolha

Pegadas

Poemas são como pegadas,
Vão ficando pelo caminho,
Por onde tantos passam,
Se dispondo em compasso,
Se dissipando com o vento!

Palavras são como o vento,
Invadem os espaços vazios,
Suspiram janelas entreabertas,
Enchem de poeira o papel,
E se transformam em versos!

Poemas são nossas digitais
Estampadas na escrivaninha,
Dando formas às palavras,
Desenhando sentimentos,
Direcionando nossas pegadas!

Palavras são estes traços,
Que feito nossas pegadas,
Unem-se para contar,
Qual poema desenhado,
Excertos de nossas verdades.

(GeraldoCunha/2021)

Série surtados – projeto Instagram