Série listas – É suspiro É saudade

Alegria triste
Riso bobo
Coceira no coração
Frio na espinha
Cheiro bom
Areia no olho
Olhar no nada
Ir querendo ficar
Canção mordida
Abraço vazio
Toque no invisível
Infinito invadido
O mar sem praia

(GeraldoCunha/2021)

Série uma saudade – episódio 1

A saudade, tema recorrente e que gosto imenso, merecia
spin-off, agora tem sua própria série.

Várias histórias de “saudade” serão traduzidas por sentimentos na sua singularidade, a cada episódio.

(GeraldoCunha/2021)

Série sentimental – Faces do perdido

Depois de todo este tempo
O passado se vai distante
Imagens disformes
Formas perdidas
Rostos sem faces
Névoa
Nada

O futuro não ecoa
Escuridão dos planos
Imersão na ausência
Sem corpos
O Inominável
Breu

O tempo que resta
O agora
E é triste
Tem esperança
E basta
Quando não há

GeraldoCunha/2021

Série cotidianos- Outrora

O poeta repousa em versos
dispensados sobre a mesinha ao lado da poltrona.
Descansa as letras no escuro da madeira.
Afaga com as costas as almofadas que resistem
para logo cederem.

Os olhos se voltam para o Belo
Horizonte que invade pela janela,
Atraídos pelos perfumes que perfuram as narinas.
O cheiro do verde, do orvalho que não veio, do vento da chuva que ameaça, da terra adubada,
Traz outrora.

Infância de pés descalços,
Represando os rios deixados pela chuva,
Desafiando a lama que escorrega o corpo,
No inocente do barro lambuzando as vestes,
Respingando na boca,
Provocando risadas entusiasmadas,
No susto ….interrompidas pelo grito
de uma voz carinhosamente irritada.

Dormências lembrando as idades,
Recobro do tempo esquecido no dantes,
Sentindo o presente despertando,
o poeta se espreguiça, sacode os versos,
que pulam para as mãos ainda letárgicas,
Marcando com o dedo por onde a leitura continua.

GeraldoCunha/2021

Série poema curto – flerte noturno

Vou dormir meu sono
Acordar meus sonhos
Flertar com a insônia
Rolar meu travesseiro
De encontro ao peito
Chutar a manta que me descobre
Depois de muito resistir
Abraçar os fantasmas que me visitam

GeraldoCunha/2021

Série palavras ao vento – Voz

Poemas fugidios

Os poemas pularam da gaveta
Encontraram a porta da rua
E sairam a passear
E não foi a primeira vez

Escapando aos pisados
Andaram pelas ruas
À cata dos desavisados
Quebraram a última esquina
Rasgaram em rompante

Sumiram no horizonte
Nunca mais foram vistos
Estavam era fugindo
Desassossegados ao enfurno
lúgubre em que se achavam

Não mais regressaram
Grudaram à parede de outros espaços
Mostrados aos sentimentos dos aturdidos

(GeraldoCunha/2020)

Uma saudade

Saudade da meninice
Do riso solto
Da tristeza interrompida no gracejo
Do sem maldade
Do descompromisso espreguiçado
Da pureza do gostar
Da inocência em querer crescer

Saudade é
Cansaço de adulto que bate forte
No turbilhão dos sentimentos gota que se transforma em cachoeira
O sorriso que vai sendo deixado nas idades por não ser cultivado

GeraldoCunha/2020

Série open – Saudade quanta


De quanta saudade estamos falando?
Daquela que está à distância:
De um toque,
De um telefonema,
De um … abraço?
Daquela que não vai ter mais os braços?
Tem saudade demais para pouca ação.
Saudade falada, mais que sentida!
É saudade?
A saudade que eu reconheço hoje é aquela:
Que não se alcança,
Que não tem voz,
Que não tem…mais!
Saudade, se está ao alcance, pode ser contida, acalmada.
Aí são só saudadinhas!
Que carregam mágoas,
Que são só nostalgias.
A causa sempre é a ausência,
O sentimento de incompletude.
É o que se encontra nos dicionários,
Para o qualquer que se chame saudade!
Os poetas nem sempre se contentam:
Com estas distâncias,
Com estas definições,
Com estas quantidades.
Querem o imensurável!
Saudade não tem medida certa,
Não se segura com barreira de contenção,
Quando é, é avalanche!
Sempre penso se saudade é quanta..
Penso…pois minha saudade:
Não tem alcance,
Não tem o cheiro,
Não permite o encontro!
No tanto mais que eu quero, nem pouco mais posso ter.
Moral da história…
Se ainda se tem saudade que possa ser medida:
Ou não é saudade,
Ou são saudadinhas, que podem ser encurtadas.
Antes de se tornarem saudade.
(GeraldoCunha/2020)

Esmago


Esmago o grão com as mãos,
O cheiro de terra perfuma o ar…
De memórias!
Do mato!
Do rio!
Da chuva!
Uma fazenda,
Uma cachoeira,
Um cachorro latindo.
Um grão,
A terra,
O cheiro,
Um esmago,
O mundo!

(GeraldoCunha/2020)

Desbotado


Quando você partiu
E foi aos poucos,
Não imaginava
Que o silêncio tinha cor.
A tristeza tem cor desbotada e com respingos.
As lembranças foram-se manchando, perdendo os tons!
O vermelho não era mais vermelho,
O azul tomou-se de um cinza amargurado.
O amarelo, com suas nuanças, já não tinha o brilho que aquecia.
Empalideceu!
E foi assim aos poucos,
Descorando-se.
A voz já não segurava as cores.

(GeraldoCunha/2020)

Série: Visitando 2016 (tudo começou assim…) – Lá pelas tantas…


Lá pelas tantas não sabia se queria voltar.
Fui longe demais.
Vi, ouvi e falei pelo caminho.
Não era mais o mesmo desde que tudo começou.
Nunca se é.

Fui triste, alegre, indiferente e foi como deixei de ser, para ser outro eu.
No trajeto sempre surgia a dúvida entreve seguir e voltar.
A opção foi sempre seguir, mesmo quando tudo indicava que o melhor era voltar.
Recuei algumas vezes, mas nunca ao ponto da partida.

Recuar parece voltar, mas não é.
Voltar é desistir daquele caminho e não seguir outro.
É ficar.
Recuar é parar, tomar fôlego, avaliar estratégias e escolher entre ir para aquele mesmo lado ou seguir outro, sempre em linha reta.

Encontrei atropelos, resistências físicas e psicológicas minhas e de outros que faziam parte do trajeto.
Sentei um pouco, sem recuar, analisei, assimilei e me curei, para seguir.
Não foram poucas as vezes que estava só, noutras queria estar só.

Quantos também foram os momentos em que, acompanhado, sorri e chorei, ofereci o ombro e fui acalentado.
O caminho desde a partida tem sido longo.

Talvez tenha percorrido a metade do que me foi destinado.
Ou um pouco mais.
Vai saber.
Isto, se um dia foi importante, não mais é.

(GeraldoCunha/2016)

Série Poema Curto: saudade é para o além


Quero ser saudade para só depois da morte.
Não me enterre vivo dizendo da saudade se estou aqui.
Saudade é não poder tocar
E ter de se contentar em abraçar uma fotografia.
Chore saudade somente sobre minha lápide fria.

(GeraldoCunha/2020)

Esfumaçado


Escrevo esfumaçado
Para esconder a tristeza
Destas mãos trêmulas
A desenhar no papel
Fragmentos da vida
Entre receitas de bolos
E listas de compras
No abandono de uma mesa
Com cinco cadeiras vazias
Que exalam saudade

Minha tristeza só cabe
Nestes curtos espaços
Que o amarelado invadiu
Mas que me cede espaço
Para riscar letras dissonantes
Que a borracha vem e rasura
Esfumaçadas enganam
Mas não se escondem
Passam desapercebidas
Entre gramas, quilos e litros

Letras de saudade
Escritas com vigor
E arrancadas das páginas
Jogadas ao lixo
Transparente
Borradas na memória
Um nome rabiscado

(GeraldoCunha/2020)

Vale dos esquecidos


Todos esquecemos
E somos esquecidos.
Só nos esquecemos disto.
Mas eu não esqueci.
Só não estava lembrando.
Memória é coisa que vai e volta.
Tem vez que vai e não volta
E não adianta esperar!
Tem vez que vem e não faz sentido.
É memória roubada.
Pode ter sigo alguém que disse.
Ou é memória pela metade.
Sem o início, o meio ou o fim.

(GeraldoCunha/2020)

Série Open: ausência conformada – sinais


(Da série open, veja também Coração sincero-recado)

Tanta coisa para conversar. Mas que vai se perdendo na ausência. O tempo vai distanciando os dizeres. E a cada retorno uma história já se perdeu e não faz mais sentido ser compartilhada. Abre-se um clarão entre nós. É o tempo para perceber que o descuido nos afastou. Não tanto menos pela distância, mas quanto mais pela ausência conformada.

Um ponto de interrogação. “Hoje não dá”, “fica para depois”, “pode ser amanhã”, “pode esperar”. Substituído gradualmente pelas reticências. E o diálogo vai sendo suprimido, ficando só no subentendido ou no deixa pra lá. No vazio das reticências, os pontos e vírgulas, os dois pontos, as exclamações, as vírgulas e as aspas vão se evaporando. Em apressados “ois”, “tudo bem”, “saudades”, “lembrei de você”, “ligo depois”, que não fazem nenhum sentido.

E a ausência conformada nos impede até mesmo de por um ponto final.

(GeraldoCunha/2020)

Histórias de amizade

Como são lindas as histórias de amizade.
Carregadas de sentimentos.
Sufocadas de abraços.
Enlaçadas pela cumplicidade.
Risos, choro, lágrimas,
Choros, riso, lágrimas,
Acúmulos de amores!
Despretensiosos encontros de almas.
Ausência sentida,
Presença exigida,
Distância compreendida!
Inusitadas relações de opostos que se conectam.
Atropelo de erros e acertos
E entre idas e vindas,
A permanência …
Memória das tristezas e alegrias
Avalanche de saudade!

(GeraldoCunha/2019)

I Wish You Love (inspiration)


Exclua-me da sua vida
Se for para ser só saudade
Ou se o tempo das horas
For desculpa para não estar
Não quero ser um estorvo
Também não vou servir de consolo
Desocupe-me das suas mentiras
É alívio não fingir que acredito
É quando a paciência perde a calma
Se não gosta de estar aqui
O melhor é trocar a fechadura
Me deixando do lado de fora
Carregarei comigo a tristeza
Que não me acompanhará por muito
Dela desviarei na primeira esquina
É quando vou me despindo de você
Desejando-lhe um outro amor

(GeraldoCunha/2019)

Série Poema Curto: Saudade volta


Levaram minha saudade embora.
Deixaram um coração vazio.
Foi o que me restou.
O que me restou.
Me restou.
Restou.
Foi!

Saudade volta para este coração.

(GeraldoCunha/2019)

Carinho

Também no instagram @divagacoesgcc.geraldocunha
…segunda parte poema (com)sequência.

Eu preciso dos seus carinhos
E não me fale que é carência
É um tanto amor, um tanto a falta

Eu sinto falta dos teus beijos
É que a boca está seca
Sedenta dos teus prazeres

Eu necessito do teu afago
É quando me afogo e gosto
Mergulho na maciez do toque

Eu sinto falta dos teus cheiros
Que entram pelas narinas
Aquecendo e me fazendo delirar

(GeraldoCunha/2019)