Série ilustrações – o poema Vasos & Flores foi inspiração

Vasos & Flores

Balaio bom é balaio surrado, sem tampa, furado, que carrega flores e vai deixando sementes na terra e perfume pelo ar.

Em vasos cultivamos vida;

flores que nascem, crescem

[encantam;

depositamos nossos desejos,

de felicidade, melhores dias, o beijo;

guardamos nossa saudade,

margaridas, rosas, tulipas, amor-perfeito, cravo;

sepultamos nossa esperança,

com flores de plástico, que desbotam com o sol e derretem com a chuva.

Bordados, pintados, coloridos.

Os vasos ressignificam o barro,

moldados às formas dos mais variados.

Decorados , são poesias escritas com flores, folhas, ramos.

Serviço ilustração: caneta preta, esfumaçado de grafite no papel 150 g

(GeraldoCunha)

Série sentimentais – É preciso

Série desempoeirados poemas – Aos mestres com amor

Série O poeta- o que resta é o apontador

Sem quase perspectiva,

deixei desarrumada a cama,

as roupas ficaram espalhadas,

quis as cortinas cerradas,

os papéis amassados,

atirados,

ficados à mesa,

jogados ao chão,

pisoteados.

Sobre a mesa debrucei

os restos de mim,

e só fiquei,

corpo jogado,

além de mim,

papéis, brancos amassados papéis,

sem expressão, sem impressão.

Lápis derrubado,

esquecido, desapontado.

Uma réstia,

de mim,

de luz,

fresta,

de olhos.

Um apontador,

um não desistir,

Um cansaço de não mais,

[vencido?

Encorajados rabiscos,

uma ponta afiada,

um papel desembolado,

uma cena,

sobre a mesa,

perspectiva…

um poeta adormece.

(GeraldoCunha/2022)

Série desempoeirados poemas- Prateleiras

As prateleiras da minha estante são bagunçadas.
Não separo meus livros por assunto, autoria ou região,
Todos que lá estão são importantes ou não estariam.
De tempos em tempos mudos-os de seus lugares,
Dicionários estão espalhados por todos os lados,
Para que não permaneçam mudos e conversem entre si.

Em meio ao monótono dos livros enfileirados ou sobrepostos,
Provoco o caos revisitando memórias e momentos congelados.
Espalhando lembranças de lugares idos e de saudades tantas.
Faço dos livros a companhia para os objetos presenteados,
Digo quem sou através daqueles colecionáveis,
Esperando que escrevam a minha biografia.

GeraldoCunha- o ano foi 2020

Série cotidianos – Cultivo

A planta que você me deu morreu!
Penso que teve todos os cuidados de minha parte.
Mesmo assim, foi definhando e morreu. Eu me penitencio, faço auto julgamento. E não entendo.
Escolhi o melhor lugar, para colocar o mais bonito vaso, que chegou inundando dos afetos.
Talvez tenha havido excessos para mais? Se me permite a redundância.
De água, de adubo, de carinho. Dizem que carinho pode sufocar, disto não sei! Sigo acarinhando!
Pode ser que tenha sido excesso para menos. E nem sei se excesso é conta que se faça para menos!
O menos de água, o pouco do revolver a terra, o abandono pelas ausências sem aviso prévio, falta de ar das janelas fechadas. Conquanto tudo isto, carinho de menos não teve! Meu olhar sempre foi de alegria, a cada encontro e reencontro. Satisfação com as conquistas, uma folha que surgia, motivo de comemoração. A tentativa da flor, êxtase. Não bastou. Mesmo no silêncio da resposta conversava, tentava compreender, pelos gestos, no movimento das folhas.
Se falhei foi culpa dos excessos, para mais e para menos. Reconheço os meus excessos.
Sigo, tentando encontrar o ponto de equilíbrio!

A planta de você me deu morreu!
Mas antes de partir me deixou uma pequena mudinha, que ainda insisto em cultivar!

Escrevo este desabafo em forma de poema
e deixo publicado em um livro!
Porquê você também não está mais aqui.

(GeraldoCunha/2022)

Série listas – vazios

A mente e seus subterfúgios

Um buraco oco oco oco

O coco oco oco

O silêncio do eco

sem o qual os ouvidos

não escutam o

ecooooooo

A noite sem os carros.sem os pássaros.sem os passos.

Ausência!

Casa sem o botão

cerzido às pressas

desprendido das costuras

O lado de dentro da metade do copo do insatisfeito.

A sede, vazio de água!

Concha recolhida na praia

aos ouvidos esvaziando o mar

que é vastidão de vazio

Multidão cruzando ruas, esbarrando-se, transgredindo o

sinal, apressadas, falando ao celular, buzinas, buzinas…. tantas buzinas e a sirene da ambulância que para de tocar no meio do trânsito …. não há mais tempo, só um corpo sem alma.

(GeraldoCunha/2022)

Minissérie Manual poético da matemática básica na íntegra – com poema inédito depois dos créditos

Expressões numéricas

Sou.
Somos.
Números que sofrem
operações matemáticas,
com ordem preestabelecida,
com prioridades.
Potenciação e radiciação.
Potências e raízes,
em primeiro lugar,
quando não há
colchetes, chaves ou parênteses
e na vida há
ou haverá.
Multiplicação e divisão,
em segundo lugar
E
por
último,
adição e subtração.
Contas das diferenças.
Convivência.
Operação básica

Quando
Não
Somos
Sou
Subtração
Divisão
Se
Somos
Adição
Sou
Multiplicação
Equação

Sentença
Sou
Expressão
Algébrica
Matemática
da
igualdade
Incógnita
E
Seu valor
Números
Encontros
Letra
Somos
Conjunto dos números

Reunião
De
Elementos
Ou
Não
Elementos
Situações
Universo e o vazio
Sou
Somos
Representação
Diagramas
Naturais. Inteiros. Racionais.
Irracionais.
reais e complexos.
Somos.
Algébricos, Transcendentais, Imaginários
Fração

Sou
Uma
Fração
Do inteiro
Neste
Conjunto
de
Números racionais
Partes
De
Um
Todo
Somos
Divisão
De
Partes
Iguais
Expressão
Da quantidade
A partir da razão

Texto & Artedigital – GeraldoCunha

Pós- créditos… no WordPress:

Álgebra

Sou

Álgebra elementar

A variável

Somos

Números

Expressões manipuladas

Usando as regras impostas

Adição

Multiplicação

Somos resoluções de equações

Poema especial – certidão de nascimento

www.instagram.com/p/CZP1idWPA-F/

PROJETO INTERAGIR: realizado no Instagram

📄

Cheguei com vestígios do tempo nos cabelos.

Surpresa daquelas dos correios,

de quem não espera.

Só chega e invade!

Invade não!

Conquista

e logo passa a fazer sala

para os poetas, artistas, heróis, romances.

Só cheguei, sem nome!

Óculos, câmara na mão, tênis de trilha…descobertas, concretizações de sonhos, vontade de vida!

Mas sem um nome! E tinha o Miyake, o intelectual; Sebastião o aparecido; os Chicos, ah! os Chicos; as tartarugas: Matilda, Arlete e Odete, as tímidas; e O Beija-flor.

Eu? Queriam me chamar Haruki – primavera e árvore; Geraldinho e Dinho, tanto carinho; Oliver – gentil, bondoso; Cunha – família; Amadeus – já diz tudo; Callan – poderoso na batalha; Professor Mind – olha só! mestre, honraria. Hugo – coração, mente, espírito; Nick – independente, original.

Escolhi Dinho, que traz no diminutivo do diminutivo do nome Geraldo a força de todos os significados e sentimentos dos nomes sugeridos.

📄

Participantes:

@magnamarleyalmeida

@euconsola

@elianaecunha

@edinamcunha

@vicendron

@lucaslopes556

@andaramed

@mcmichellecruz

@evandersson_

@otiliaborges_

@gabrielacborges

@giucangiani

📄

Série minha voz – poema X do Livro Improváveis- Livro de Poemad

Vídeo gravação para o Instagram na série minha voz. – desafio de curtidas… uma brincadeira divertida, só possível tendo como base Improváveis- Livro de poemas … à venda pela Amazon (não custa dizer)

GeraldoCunha

Mesa para dois

Série sentimental- Arrede a tristeza

Queria escrever sobre felicidade

mas hoje estou triste

só triste

Então…, não queria desistir de escrever a felicidade

Não aceito encerrar o dia assim

Tem que haver felicidade

Pouquinho que seja para acomodar o travesseiro

Memórias

Agarro-me a elas

Junto os pouquinhos

Todos aqueles anos…com foi bom e eu sabia que foi Ótimo.

Aquele ano… um leve sorriso

Tudo mudou e foi naquele ano

Aquele mês… qual foi mesmo?

A viagem. Os encontros. O mar.

Aquele dia.

O mar. E eu que não me lembrava?

O sorriso

Arredo a tristeza um pouco para de lado

Naquela semana. Tão intenso tudo. Tão. Intenso.

Há alguns dias, mais encontros, mimos, abraços… que saudades estava dos abraços.

Já disse minha saudade é plural

Ontem superação conquista sossego sossego é tão bom

É arremedo de felicidade

Hoje…. Tem espaço mais não.

Fique aí se quiser

Eu cá! Fecho os olhos mais feliz

Grudado no meu sorriso bobo

Que de bobo não tem é nada

Boa noite!

(GeraldoCunha/2022)

Escrever é bom demais … limpa a alma….

Série O poeta

O poeta é um otimista

Série de improviso – apontamentos do que é o belo

os olhos
puros
enxergam
o belo

o olhar
não traduz
a beleza
do outro
mas de si

O olho
espelha
a própria
beleza

No olhar
o belo
está
de
dentro para fora

Não é o belo
que invade o olhar
é o olhar
que ressignifica
a paisagem

O belo
é o olhar

GeraldoCunha

Série especial- retrospectiva divagações & pensamentos

Série desempoeirados poemas- ego excêntrico

Série o poeta- jardineiro

[Bu’riSku]

Série de improviso- Escalada

Improváveis – Livro de poemas (GeraldoCunha)

Uma ótima leitura para começar o ano de 2022

Poesia leve, falando sobre o cotidiano, sentimentos, vivências.

Aquisição https://editorialcasa.com.br/produto/improvaveis-livro-de-poemas/

Venham compartilhar desta experiência comigo.

Pode ser adquirido também pela Amazon e em loja física na Martins Fontes Paulista.

Ou caso prefira…mande um direct pelo Instagram @divagacoes.geraldocunha (aqui com possibilidade de ir autografado)

GeraldoCunha/2021

Série aldravia

Série cotidianos- replantio

Série experimentações- Aldravia

*

generosidade

no

conforto

de

palavras

acolhimento

*

sentido

amor

um

hiato

dois

corpos

*

suave

coração

carinhos

riqueza

no

dedicado

**

ALDRAVIA – É uma poesia composta por seis linhas poéticas resumida em palavras que exprimem grandes emoções.

Série poesia concreta -encolha

Os dias vão-se

[curvando

dos dissabores

o quão das alegrias

suplantadas

saudoso dos risos

Entre paredes

que comprimem

oprimem reprimem

[reprimem

Olhos volteios

interiorizam

esmagam

restos

frio que percorre

do pouco

o quase nada

[um corpo

sem essência

De tempos em tempos

dos entreveres

e.n.c.o.l.h.a

Do tempo ao tempo

recolha

dos cacos

que vão ficando

[espalhados

entre o triste do sorriso

que se finge alegre

(GeraldoCunha)

Série de improviso- Apontamentos do que é o belo

Série afetos – dias roubados

Série improváveis (moral da história)

Uma ilustração perfeita é só mais uma ilustração.
Uma ilustração com as imperfeições, da exclusividade dos traços trêmulos da emoção do momento, tem uma história para se contar.

TextoEarte

GeraldoCunha (2021)

Série de improviso- zere o relógio

Ao sentir que o ao redor está te consumindo
Zere o relógio
Foque
Fique nos segundos
Volte nas horas
E se jogue novamente
E se o mundo voltar a te consumir
Zere o relógio

(GeraldoCunha/2021)

Série desempoeirados poemas- Minha melhor fotografia

Série poemas ilustrados – tatuagens

asas voam asas

libertas alcançam o céu
escrevem poemas
enfeitam os cabelos

Ilustrações: Geraldocunha