Porta entreaberta


Não queria estar só.
Timidamente me recolhia,
escondendo atrás das cortinas,
espreitando as frestas das janelas.
Na iminência da proximidade,
sorrateiramente me entranhava
entre as cobertas e ficava ali,
atenciosamente,
prendendo a respiração ofegante,
esperando retornar ao conforto da minha solidão.
Novamente sozinho pensava ter
recuperado minha liberdade,
antes ameaçada,
mas logo percebia que o estar
sozinho não era liberdade
e sim solidão.
E só eu não queria estar.
Impulsivamente eu emergia
daquelas cobertas
que serviam de refúgio e,
ainda ofegante,
abria as cortinas atrás das quais me escondia,
escancarava as janelas,
deixando o ar e sol invadir aquele quarto
e, loucamente,
pedia para você voltar
pela porta entreaberta.

(GeraldoCunha/2017)

Meu mapa


Reinvento as esquinas,
Troco as placas de lugar,
Confundo os pedestres,
Que apressados,
Não entendem
As minhas ruas.
Sou eu quem
Destruo,
Construo,
Reinvento.
Invento becos
Que não levam
A lugar nenhum.
Só pelo mistério
Que aguça a curiosidade.
Desenho bueiros
Por onde escapo
Quando me sinto
Acuado,
Desconfiado,
Arredio.
Para percorrer pelas vias
É preciso conhecer a mim
E não ter receio das surpresas,
Nas esquinas,
Nos becos,
Nos bueiros.
São os desafios
Para se encontrar
O paraíso calmo
Ou cair num
Mundo de perdição!

(GeraldoCunha/2020)

Mesa para dois – 02/02/2020


Mesa para dois

Sentados de mãos
Entrelaçadas.
Entre olhares
Que não se cruzam,
Que se fundem.
Dedos que se
Tocam,
Suavemente…
Desenhando
As iniciais do seu
Nome.
Enquanto
Suavemente
Acaricias a borda
Da taça
Pela metade
Devorada.
Absortos
Neste jogo
De sedução.
Alheios ao
Imponderável
Do tempo.
Vibram os corpos
Desejosos
Um do outro.

(GeraldoCunha/02/02/2020)

Flash Back

(série: Ensaios/experimentações – poema produzido na Oficina O Cinema da Escrita)
•••
A câmara no meio da rua registra. De um lado, botas brancas em foco. Passos nervosos. Dividida a tela, do outro lado, óculos escuros. Em movimentos tensos. O plano é fechado. O sol teima em brilhar. Caminham na mesma direção. De lados opostos do passeio. Cruzam a câmara que se desloca rapidamente. À frente o letreiro anuncia. Love Store – Uma História de amor. Ao fundo já se houve ao piano “theme from love story”. Do lado de fora a trilha sonora é outra. Som dos carros, buzinas, apitos, a criança que chora. Bilhete entregue ao olhar desatento do lanterninha. Cabeça baixa. Agora em plano aberto caminha. Por detrás a cortina vermelha que se fecha. À frente a câmara vai em direção às cadeiras vazias. Na penumbra só uma ocupada. Desfaz-se do lenço que protegia. Senta ao lado, se olham discretamente. Corte para as mãos que se tocam. Alianças esquecidas. Voltam ao passado. A câmara passeia pelas paredes manchadas e do fundo se projeta para a tela. Os protagonistas se beijam. O filme já vai terminar.

(GeraldoCunha/2019)

Carinho

Também no instagram @divagacoesgcc.geraldocunha
…segunda parte poema (com)sequência.

Eu preciso dos seus carinhos
E não me fale que é carência
É um tanto amor, um tanto a falta

Eu sinto falta dos teus beijos
É que a boca está seca
Sedenta dos teus prazeres

Eu necessito do teu afago
É quando me afogo e gosto
Mergulho na maciez do toque

Eu sinto falta dos teus cheiros
Que entram pelas narinas
Aquecendo e me fazendo delirar

(GeraldoCunha/2019)

Se me queres


Se me queres
Só imagem,
Eu sumo!
Viro fumaça.

Se me queres,
Queira por inteiro.
As minhas metades
Não divido!

Se me queres
Só por hoje,
Eu passo!
Vou adiante.

Se me queres,
Queira os dias,
Implore pelas noites,
Engane o tempo!

Se me queres
Por momentos,
Nem venha!
Não sou stories.

Se me queres
Só por um tempo,
Marque a lápis.
A borracha vai apagar!

Se me queres
Por costume
Eu dispenso!
Poupe o tempo.

Se me queres,
Que seja deleite.
Vontade de ficar,
Desejo de voltar!

(GeraldoCunha/2019)

O encontro

Quando você chegou
A cama estava arrumada
Pétalas vermelhas salpicadas
Não que precisasse
Mimos do amor

Quando você ficou
A mesa estava posta
Duas taças dispostas
E o vinho para aquecer
Arroubos da paixão

Quando você se foi
A porta ficou aberta
Para que voltasse
Para que quisesse ficar
Manias do coração

(GeraldoCunha/2019)