Viagem ao espaço tempo


Viajar é se permitir.
Estar aberto para novas experiências.
Voe sem amarras.
Esqueça as malas.
Você sem asas.
Rasgue as roupas e saia.
De saia dance em ondas.
Veleja o ar.
Embarque no vento.
Rasgue o bilhete e ande.
Sinta o cheiro da terra com os pés descalços.
Peça carona e deixe ir.
Mude a rota e conheça o mar.
Não se vive só de cachoeiras.
Não se sobrevive só de asfalto.
Recolha a chuva e beba.
Com os restos que escorrem se lave.
Seque ao sol.
Ou revire na areia da praia e tome banho de mar.
Tempere a pele.
Salgue os cabelos.
Agarre a crina do cavalo pelo pescoço ou cauda.
Cavalgue o tempo.
Recoste sob a sombra de uma paineira, sobre a grama molhada.
Cubra-se com suas flores.
Sonhe.
Sonhar é viajar.
Conhecer o outro lado por dentro.
O inconsciente.

(GeraldoCunha/2020)

Aves


Desenho pássaros no papel
Que de asas abertas não voam.
Na rua, observo pela janela, os pombos.
Passeiam na rua deserta, alimentam-se.
Voam de um lado para o outro.
Voo baixo, displicente.
Senhores das ruas.

E os pássaros aqui dentro não voam!
São mais coloridos,
Mas não voam!
Presos à folha branca,
Não percebem o céu,
Sem as cores do azul.

E lá fora, no céu, rajada de avião.
Corta as nuvens decepando-as,
Um rastro que se vai deixando,
Aos poucos encoberto e some!
Os pássaros sobre a mesa,
Dispostos no papel não voam.

Transformo em avião o papel.
As aves se escondem sob as dobraduras.
São só cores que se misturam nas asas.
Seguro pelos dedos voam pela janela,
Alcançam o céu e gira em círculos
E os pombos, lá fora, voam para longe!

(GeraldoCunha/2020)

Chuva


Gosto dos barulhos da chuva.
Quando leve,
É sinfonia que faz acalmar,
É melodia que embala o pensar,
É fluidez!
Quando forte,
Anuncia-se sem temores,
Causa tremores,
Tanto arrasa quanto limpa!

Gosto da água que cai.
As gotas que batem na janela,
O cheiro da terra molhada vindo de fora,
Convidando-se para entrar,
Escorrem pelo vidro
Procuram frestas
Molham o chão.

São torrentes que escorrem,
Traçando seu próprio caminho,
Invadem sem pedir licença,
Avançam rumo ao lago, ao rio, ao mar,
O pouco que terra não conseguiu drenar.

(GeraldoCunha/2020)

(Colaboração Eliana Cunha)

Série Poema Curto: Orvalho


O orvalho na folha
Molha a nuca
Provoca desejos
Arrepio na pele

O orvalho que cai
Úmido na face
Escorre na pele
Molha os lábios
Que se tocam

(GeraldoCunha/2019)

Cores

Gosto das cores.
Amarelo vibrante
E dos tons pastéis,
Gosto de pastel!
Vermelho fogo
E a frieza do cinza.
Gosto da brasa!
Azul celeste
E do azul mar.
Que é verde!
Que é azul!
Sei lá.
Gosto do mar!
E dos corais,
São todas as cores.
E do sem cor,
Que também é cor
E mata a sede!

(GeraldoCunha/2019)