Café da manhã


(@divagacoesgcc.geraldocunha – mais um canal de interação)

Derrame a xícara com fel na pia
E nos sirva um café coado na hora
Ponha uma colher de mel para adoçar
Duas gotas de chocolate para meu bem estar
Sente ao meu lado e vamos degustar
A manhã que se inicia
A notícia que não é novidade
Que o amargor escorra pelo ralo
E os aromas nos envolvam as narinas
E que o dia comece assim
Sem mágoas
Sem rancores
Só amores
Uma tela em branco
Pronta para ser pintada

(GeraldoCunha/2019)

Anúncios

Cores

Gosto das cores.
Amarelo vibrante
E dos tons pastéis,
Gosto de pastel!
Vermelho fogo
E a frieza do cinza.
Gosto da brasa!
Azul celeste
E do azul mar.
Que é verde!
Que é azul!
Sei lá.
Gosto do mar!
E dos corais,
São todas as cores.
E do sem cor,
Que também é cor
E mata a sede!

(GeraldoCunha/2019)

Poema aos Pais


(Não é usual eu fazer poemas de datas comemorativas, mas meu coração pediu e a ele não sei dizer não)

Ah, Pai.
Este olhar de preocupação…Eu sei!
Quando se recebe uma encomenda especial que não vem com manual de instrução:
É carinho, cuidado…proteção.

Ah, Pai.
Este semblante calmo…Eu sei!
Quando quer apresentar o mundo aos poucos, mas como é:
É disfarce para as tristezas que, inevitáveis, virão.

Ah, Pai.
Este sorriso desconfiado…Eu sei!
Quando a alternativa é deixar partir:
É resistência em entregar ao mundo quem tanto protegeu.

Ah, Pai.
Este ar de satisfação…Eu sei!
Quando olha para a frente e vê quem construiu:
É certeza de dever cumprido, medida exata da felicidade.

Parabéns àquele que verdadeiramente honra ser chamado: Pai, Papai, Paizinho, Papito, Painho…Eu sei!
Conheço muitos.

(Homenagem póstuma ao meu Pai)

Declamação


Amar intensamente
Amar por mim
Amar a mim
Amar
Sem limites

Amar intencionalmente
Amar por você
Amar você
Amar
Sem amarras

Amar insistentemente
Amar por nós
Amar-nos
Amar
Sem imposição

(GeraldoCunha/2019)

Abraço mineiro


O abraço mineiro
Tem gosto de café com pão de queijo.
Acredite…
Há quem recuse café;
Há quem recuse pão de queijo.
Já aviso que é caso de se ‘ofendê’.
Só nunca vi alguém ‘recusá’ um longo abraço mineiro.

O abraço mineiro
Tem jeitinho de pode se ‘achegá’.
É aconchego no frio.
É refresco no calor.
E aí de quem se ‘recusá’!
É desfeita que não se há de ‘perduá’.
Não que eu tenha visto alguém ‘refugá’!

(GeraldoCunha/2019) (‘…’ linguagem coloquial – minerês)

Cheiro e sabor / Ciclos da vida

(este poema é absolutamente pessoal – talvez alguém se identifique)

Tem música com sabor.
Arroz com carne moída,
Fins de tarde em família,
Recordações da infância,
Sítio do Picapau Amarelo!

Tem música com cheiro.
Perfume do primeiro amor,
Amizades incondicionais,
Lembranças da adolescência,
Roda de violão e coca-cola!

Tem música com sabor.
Pão de queijo com linguiça,
Café que acabou de ser coado,
Memórias da juventude,
RPM tocando na vitrola!

Tem música com cheiro.
Flor dama da noite,
Jardim da faculdade,
Reminiscência da mais idade.
Pipoca doce de saquinho!

(GeraldoCunha/2019)

Mãos de afeto


Toque suave nos cabelos
Negros fios a tocar a pele
Seda a escorrer entre os dedos
Cuidado nos prazeres

Mãos de afeto a deslizarem
Envolvendo de amor a face
Calor perfumado que protege
Percorrendo os sentidos

Toque preciso das mãos
Envolvendo a massa
Adoçando os paladares
Servindo aos sabores

Mãos tocadas em oração
Professando a fé
Suplicando uma graça
Agradecendo por devoção

(GeraldoCunha/2019)