Poemas experimentais – Fundo do poço: uma teoria

Quando chega ao fundo do poço

Fica lá

Por um tempo

Observa

as texturas

Estando escuro

acostume a visão

havendo luz

ajuste as pupilas

Não se desespere

No desespero

espere

Fica lá

Respire

Inspire

Sinta o ar

no pulmão

na mão

Observa

a direção

Toque

as paredes

encontre as ranhuras

Use as garras

e suba

caia

e suba

precisando

Fica lá

restabeleça

Observa

Repita

(GeraldoCunha)

Publicidade

3 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s