Série cotidiano- Beija-flor de outrora

o beija-flor que outrora
rondava a varanda
cumprimentava e partia
do cotidiano virou poema

no atrevimento dos sentidos rompeu a tela
ocupou todo o espaço
no reconhecimento da área
saudou o pé de maracujá
que sobe pelo beiral
os ramos do hortelã
recém plantado

procurou pelas flores
encontrou os Chicos
em estado de oração
pausou sem pousar
e novamente se foi

no abandono
fico aguardando
no mesmo horário
todas as manhãs
a companhia

(GeraldoCunha/2021)