Série cotidianos- Lírio da paz

Ontem replantei o jardim. Vasos novos para a varanda. Os antigos, quebradiços, Sufocavam as viventes. Alguns, sem piedade, despencaram, ao susto. Sucumbiram ao atropelo do tempo. Desiludidos lá foram ao chão. Aviso das necessidades. Desplantados e descartados, Terra revolvida, Renovada e fortificada. Plantas desbastadas Raizes aparadas Regalos para a nova morada. Berços preparados Com pedrinhas de drenagem. Replantio: Terra, afago, húmus, afago, planta, afago, água. Um a um… dedicadamente, Os vasos habitados, Ao esquecimento das horas. Lá da sala o lírio da paz observava todo o movimento. É que há poucos dias decidiu que ia florescer. Do lado de fora, valsando entre as folhas da frondosa árvore, O beija-flor, daquele primeiro poema veio ver o acontecer. (GeraldoCunha/2021)