Volúpia

Volúpia

Leve
A xícara na boca
Escorrega os lábios
O aquecido da língua
esquecido
O tempo de outrora
Seguro na alça
Firme no calor
exalado
Pela fumaça
Da canela
Em pó
O aroma
Vertigem da memória
relampejo
Ao repouso da louça
O beijo marcado
De onde deslisa
a lágrima
Alcança o pires
Seca ao dedo
Que vai à boca
tênue
Repouso lento
Do nascer do dia
Ressaca da noite
volúpia

(GeraldoCunha/2020)