Série open – Saudade quanta


De quanta saudade estamos falando?
Daquela que está à distância:
De um toque,
De um telefonema,
De um … abraço?
Daquela que não vai ter mais os braços?
Tem saudade demais para pouca ação.
Saudade falada, mais que sentida!
É saudade?
A saudade que eu reconheço hoje é aquela:
Que não se alcança,
Que não tem voz,
Que não tem…mais!
Saudade, se está ao alcance, pode ser contida, acalmada.
Aí são só saudadinhas!
Que carregam mágoas,
Que são só nostalgias.
A causa sempre é a ausência,
O sentimento de incompletude.
É o que se encontra nos dicionários,
Para o qualquer que se chame saudade!
Os poetas nem sempre se contentam:
Com estas distâncias,
Com estas definições,
Com estas quantidades.
Querem o imensurável!
Saudade não tem medida certa,
Não se segura com barreira de contenção,
Quando é, é avalanche!
Sempre penso se saudade é quanta..
Penso…pois minha saudade:
Não tem alcance,
Não tem o cheiro,
Não permite o encontro!
No tanto mais que eu quero, nem pouco mais posso ter.
Moral da história…
Se ainda se tem saudade que possa ser medida:
Ou não é saudade,
Ou são saudadinhas, que podem ser encurtadas.
Antes de se tornarem saudade.
(GeraldoCunha/2020)

6 comentários sobre “Série open – Saudade quanta

  1. Eliana Cunha disse:

    Saudade…difícil definir e mensurar. Saudade ou saudadinhas sinto. Por descuido ,às vezes deixo passar um oi, um telefonema, uma visita. Lindo e reflexivo este poema.

    Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s