Personagens de nós mesmos


Eu sou assim!
Foi o que Eu disse.
E todos partiram!
Tentei ser outro Eu,
Para que viessem, voltassem.
Vieram, voltaram alguns… por um tempo.
Mas não queriam este Eu,
Quereriam o outro Eu antes rejeitado.
E Eu notei…
Nunca fui outro.
Aí percebi o quanto sou injusto comigo.
Não sou Eu, são os outros.
Não compreenderam a essência do personagem.
É um alivio, um alento.
E só posso pensar:
Está tudo certo, como deve ser.
É como fechar um livro e abrir outro.

(GeraldoCunha/2020)