Sangra


A poesia para mim sempre é restauradora, ainda que triste ou angustiante.
A maioria dos meus poemas surge de pensamentos de dor que me invadem, as mais diversas “dores” (saudade, solidão, rancores, mágoas, despedidas, etc).
A cada verso que escrevo, reescrevo, revisito, sangro.
Exponho a carne e vou me despindo destes sentimentos e termino restaurado.
É uma terapia em que sou o terapeuta e o paciente.

(GeraldoCunha/2020)