Silêncio dos olhos


Hoje quis não enxergar as palavras,
Fazer com que silenciassem na mente.
Deixando de perturbar meus pensamentos.
Que tudo fosse um apagão.
Preciso descansar das palavras.
Quero um livro que não aceite as letras.
Que seja uma compilação de poemas nunca escritos.
Páginas e páginas em branco,
Passadas uma a uma caladamente.
Mas quando estou para cair
E vozes incessantes me atordoam,
São as palavras que me restauram.
Hoje preciso que fiquem mudas!

(GeraldoCunha/2020)