A cidade dorme


Entrego-me aos devaneios da noite
E quando acordo quero voltar a dormir.
Gosto de sentir as dores da noite,
Que tumultuam meu sono,
Confundindo a realidade dos meus sonhos.
Os seres que me visitam se parecem com as sombras dos dias,
Mas tem asas de demônios,
E olhos de sangramento.
Mas não me aterrorizam tanto quanto os sombrios dos dias,
Disfarçados de anjos sem asas.
São as asas que me incomodam,
Pois podem voar e insistem em ficar por aqui.
Gostam das dores da noite,
Tanto quando eu.

(GeraldoCunha/2020)

5 comentários sobre “A cidade dorme

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s