Das dores


Das dores…
Já nem me lembro!
Do pouco que lembro,
Luto para esquecer.
Sofrimento suporta,
Enfrenta de frente,
Até passar!
Das dores…
Não carrego comigo,
As que me agarram,
Delas tento me desvencilhar.
As que penetram arranco
Com os dentes, quando me faltam as mãos.
Das dores…
Aprendemos!
Do que nós desumaniza.
Nos torna mais humanos.

(GeraldoCunha/2020)

8 Comments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s