Desmoronando


Sinto o mundo desmoronar
Sob meus pés a terra estremece
Chão que tinha fortaleza
Hoje não sustenta minhas raízes
Preciso escapar pelas asas
Mas sem vivacidade se perderam
Fico a me debater pelos cantos
Construí paredes de proteção
E os tijolos se tornaram prisão
As janelas mal se abrem ao ranger
A porta se cerrou atrás de mim
E o pó embaça os meus olhos
Estou exausto de querer voar
E estas sombras atormentando
O tempo está ruindo
Sinto o gosto da ferrugem
Engrenagens sem movimento

(GeraldoCunha/2019)