Já não sei… Eu só!


Já sem esperança
resolvi acreditar na vida!
Quando tudo ficou em silêncio
pude perceber que estava só.
Já não sou mais necessário,
não faço falta!
Se sou lembrado
já não sei, ninguém me diz.

Ninguém ri daquela piada engraçada que conto.
Já não conto piadas,
não tenho para quem contar.
Cruzo o tempo todo com pessoas estranhas,
Até quem eu pensava conhecer virou um estranho!
Hoje luto para sobreviver,
solitário no meio de tantas vozes.

Não sei se a vida deixou de ter sentido ou se agora é que ela começou a fazer sentido.
Não sei se é o final ou apenas mais um recomeço entre tantos outros que não levaram a nada e a lugar nenhum.

(GeraldoCunha/2016)

Divagação 80

Meus olhos enxergam
Mais do que a mente pode alcançar,
Tropeço nas sombras dos rancores.
Prefiro andar de olhos fechados!

(GeraldoCunha/2019)

Dito pelo não dito (experimentações)


O poeta disse…
Disse?
O poeta?
Disse.
Não!
O poeta não disse…
Não disse?
O poeta?
Disse.
Sim!
Nesse disse
Me disse…
Ficou o dito
Pelo não dito.
E o poeta
Nessa toada
Levou um ‘pito’.

(GeraldoCunha/2019)

Frágil


A vida é este frágil do tempo
Um instante de prolongamento
Um breve no hesitante do existir
Fagulha de uma chama que não se apaga
Ou o devagar apagar de uma vela
O delicado da seda que com o toque se rompe

A vida é este flash no tempo
O orvalho que seca ao primeiro sol
O eterno do instante que resta
Um sopro de esperança que não basta
O inevitável encontro de olhares
O silêncio do encerramento inevitável

A vida é este romper do tempo
A acelerar as impressões no rosto
A encurtar os passos na distância
O ressignificar os sentimentos
O desacelerar das palpitações
A substituir as saudades por lembranças

(GeraldoCunha/2019)

Processo (Poema Curto)


Em processo de introspecção
As palavras se acovardam
Os pensamentos se engavetam
E lá fora está chovendo
Sinto o cheiro da enxurrada
Carregando os restos

(GeraldoCunha/2019)

Desmoronando


Sinto o mundo desmoronar
Sob meus pés a terra estremece
Chão que tinha fortaleza
Hoje não sustenta minhas raízes
Preciso escapar pelas asas
Mas sem vivacidade se perderam
Fico a me debater pelos cantos
Construí paredes de proteção
E os tijolos se tornaram prisão
As janelas mal se abrem ao ranger
A porta se cerrou atrás de mim
E o pó embaça os meus olhos
Estou exausto de querer voar
E estas sombras atormentando
O tempo está ruindo
Sinto o gosto da ferrugem
Engrenagens sem movimento

(GeraldoCunha/2019)

Sobre amores


O amor didático é entediante …
Regras são para serem quebradas;
Não há surpresa nas pétalas vermelhas!
E o amor não é uma regra.
É um atalho no supérfluo da vida.

O amor é um riso bobo.
Um sorriso largado no canto da boca;
Uma cabeça que se acomoda no colo!
E um desejo profundo de eternidade.
É não querer não estar!

O amor às vezes é um rio de dor …
Que não conseguiu desaguar no mar!
E represado foi minguando até secar.
São restos de uma vida.
É se debater até deixar de respirar!

O amor não se ensina se arrisca…
Risca as folhas e tatua a pele!
Rompe barreiras e sacode o preconceito.
E mesmo assim não se explica apesar de tanto escrito.
É uma pichação no muro!

O amor não é uma flor nem seu perfume …
Às vezes é um ramo e seus espinhos!
Gotas de sangue, gotas de vinho.
Pés que se unem e conciliam.
É transgressão sob medida!

O amor não é tudo isto ou só isso.
Um dicionário de significados.
Há quem não acredite e desiste!
Muitos usam só como argumento para um novo livro.
É palavra que sufoca o grito!

O amor tem um quê de bonito …
Violinos e flautas como tema de fundo.
Mesmo quando o silêncio é sinfonia!
Canção que se desafina.
É música sem melodia!

O amor,
Não se ensina,
Não se explica,
Nem sempre rima.
O amor didático entedia!

(GeraldoCunha/2019)