Estação partida


Sempre estou pronto para partir.
Não que eu queira ir!
É que não tenho razão para ficar.
As pessoas são estranhas neste lugar.
Falam uma linguagem que não sei decifrar.
E os ouvidos são incapazes de me alcançar.
Dizem que é por ter escolhido a solidão,
Mas se enganam.
Foi a solidāo quem me escolheu!
Não dá para dizer que foi uma opção.
Enquanto espero nesta estação,
Vou observando os que chegam,
E me despedindo dos que antes partem.
Convivendo como posso com os passantes,
Ignorando como devo os que entediam.
Só observando!
Só esperando!
Só esperançando…
Tendo sempre a solidão como companheira,
Mas de quem por tantas vezes quis me divorciar.
E não me julguem!
Sempre procurei um jeito de reconciliar.
Sai perambulando e sem me encontrar,
Voltei para o mesmo lugar,
Sentei na mala e estou a esperar
A hora definitiva de embarcar,
Não que eu queira partir!
É que não pertenço a este lugar!
Fico pensando que é melhor eu voltar,
Mas não sei em qual trem embarcar.
Abraço a companheira e espero.

(GeraldoCunha/2019)

(inspiração: A música Encontros e despedidas de Milton Nascimento e Fernando Brant)

Anúncios

13 comentários sobre “Estação partida

  1. sabe, Geraldo, tenho uma ligação com as Geraes que não sei como expressar e isso que estive por aí apenas uma vez e nos anos 70. todavia, Milton e o Clube da Esquina sempre me acompanharam e meu afeto, meu sentimento de raiz está muito mais em Minas que aqui no Rio Grande. e quando leio esses teus versos me sinto parte desse viver, de partir, de querer voltar, de estrada, de trem de ferro, de ponto final… embarco nos versos sem olhar o destino, sei que a estação de chegar será aquela que meus olhos e meu coração simplesmente farão com que desça do trem sem pensar. coisas que somente quem sente sabe e vive porque o ponto final é o início da vida de cada estação. um grande abraço.

    Curtido por 3 pessoas

    • Obrigado pelo carinho das palavras, Minas tem este afeto mesmo, inexplicável! Respira e inspira poesia! Gratidão sempre! Este poema já tem algum tempo, mas relutei em publicar pois tem uma carga emocional muito forte para mim! Por isso é tão bom ter este retorno com tanta compreensão. Obs; esqueci de dizer que esta foto é do Museu Abílio Barreto.

      Curtir

  2. Que Bonitooo!!! 👏 👏 👏 👏 👏
    A mi las estaciones de tren me producen una sensación parecida…Una mezcla de nostalgia y melancolía que intento controlar porque también hay otra forma de verlo…La estación de tren puede ser el inicio de algo…Puede ser el punto de partida de la gran aventura de tu vida!!! 😉😊☺️🙃

    Curtido por 1 pessoa

  3. Para comentar, precisei ler todos os comentários anteriores… Quis eu viajar primeiro e voltar depois, para então viajar novamente, para encontrar a mala esquecida, tantas vezes des (necessária), para entender que partir é nossa sina e aqui em Minas, a de ser de trem… Viva a poesia desta terra que fez nascer o conhecido Clube da Esquina e tantos poetas (quase anônimos), iguais a ti…

    Curtido por 1 pessoa

    • Obrigado Estevan pela atenção com minha escrita e sempre de forma tão positiva. Minas tem esta relação forte com os trens, não é à toa que ressignificamos a palavra ‘trem’ (e todos entendem). E as Estações? Tem lugar melhor para parar, sentar e observar? Quantos mundos cabem dentro é quando partir e chegar tem o mesmo sentido! Abraço.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s