Estação partida


Sempre estou pronto para partir.
Não que eu queira ir!
É que não tenho razão para ficar.
As pessoas são estranhas neste lugar.
Falam uma linguagem que não sei decifrar.
E os ouvidos são incapazes de me alcançar.
Dizem que é por ter escolhido a solidão,
Mas se enganam.
Foi a solidāo quem me escolheu!
Não dá para dizer que foi uma opção.
Enquanto espero nesta estação,
Vou observando os que chegam,
E me despedindo dos que antes partem.
Convivendo como posso com os passantes,
Ignorando como devo os que entediam.
Só observando!
Só esperando!
Só esperançando…
Tendo sempre a solidão como companheira,
Mas de quem por tantas vezes quis me divorciar.
E não me julguem!
Sempre procurei um jeito de reconciliar.
Sai perambulando e sem me encontrar,
Voltei para o mesmo lugar,
Sentei na mala e estou a esperar
A hora definitiva de embarcar,
Não que eu queira partir!
É que não pertenço a este lugar!
Fico pensando que é melhor eu voltar,
Mas não sei em qual trem embarcar.
Abraço a companheira e espero.

(GeraldoCunha/2019)

(inspiração: A música Encontros e despedidas de Milton Nascimento e Fernando Brant)