Caótico


Entrego-me
Aos caos
Da minha calma
Despeço-me
Da minha alma
Pois a mim atordoa
Preciso da calma

Invado as ruas
E me projeto
Da minha calma
Desprendo-me
Da minha alma
Sem pressa de regressar
Preciso do caos

Reviro o lixo
À procura
Da minha calma
Desfaço-me
Da minha alma
Não encontro
Preciso da alma

Visto-me
Da desordem
Da minha calma
Sucumbo-me
Da minha alma
Perdido no caos
Preciso me encontrar.

(GeraldoCunha/2019)