Vacilo de amor


Vacilo de amor

Abri a porta para que entrasse,
Não entrou, nem da soleira se aproximou.
Lá de longe só observou,
Titubeou, vacilou.
Não foi!
Era para ser?
Não sei Eu.
Não sei Você.

Tinha puxada a cadeira para que se sentasse,
Não se sentou, nem o umbral atravessou.
A varanda escureceu!
Não insisti, desistiu.
Não foi!
Era para ser?
Não tentei Eu.
Não tentou Você.

E na soleira descansa um tapete de boas vindas.

(GeraldoCunha/2018)

Anúncios

7 comentários sobre “Vacilo de amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s