Solte-me as asas


(Gostou? veja também É tudo que quero)///.
Despregue-me os pés do chão,
Preciso andar,
Mesmo sem sair do lugar,
Dê-me asas.

Solte-me as asas mal coladas,
Preciso voar,
Mesmo se tem perigo a rondar,
Mostre-me as mãos.

Desata-me as mãos que tremem,
Preciso lutar,
Mesmo se o pódio não alcançar,
Liberte-me da opressão.

(GeraldoCunha/2018)

Desacreditar


(Gostou? veja também Poema da indiferença)///.
Não quero mais acreditar
Nas expectativas
Quero ver acontecer
Se não for por aí
De outro modo
Melhor que não venha
Não vê que me apaixono
Logo na primeira hora?

Não quero mais aceitar
As decepções
Falsas promessas
Que me fazem acreditar
Cegamente
Até não mais
Não vê que me decepciono
Logo na ausência?

Não quero mais falar
Das indiferenças
Quando o que espero
Para além
É ser o foco
O oásis e a miragem
Não vê que fico invisível
Logo que se quebra o espelho?

(GeraldoCunha/2018)

Coração partido


(Gostou? veja também Folha de papel)///.
Estrada que vai ficando
Restos deixados pelo caminho
Poeira que se dissipa no ar
Boca seca que sangra lágrimas
Orvalho transformado em sede
Lembranças em vão esquecidas

Paisagem escapando aos olhos
Placas desgastadas levando distância
Carro abandonado no asfalto quente
Pés de dor queimados ao passo
Vontade só de não querer ficar
Coração partido em pedaços pisados

(GeraldoCunha/2018)

A visita


(gostou? veja mais em O para sempre!)///.
Seja visita constante em meus sonhos
Desenhando os contornos da madrugada
Para que eu implore pelo pôr-do-sol
Para que eu brigue com a insônia
Para que eu não queira o nascer do dia
Que inevitável venha carregado dessa nostalgia

(GeraldoCunha/2018)

Exclamo e clamo


(Gostou? veja também Poema da indiferença)///.
Ah! amigo que saudade!
De encostar a cabeça no seu ombro
E ficar e ficar e só
Ficar
Sem tristezas sem alegrias
E ficar e ficar e só
Ficar
Sem choros sem risos
E ficar e ficar e só
Ficar

Ah! amigo que saudade!
De não ter que escolher palavras
E olhar e olhar e só
Olhar
De não precisar dizer
E olhar e olhar e só
Olhar
De ficar no seu ombro
E olhar e olhar e só
Olhar

Ah! amigo que saudade!
Do abraço prolongado
E apertado e apertado e só
Apertado
Sem cobrança sem pedido
E apertado e apertado e só
Apertado
Sem pressa sem demora
E apertado e apertado e só
Apertado

Ah! amigo que saudade!
Saudade das boas
De ficar
Saudade das grandes
De olhar
Saudade das fortes
De apertar
E ficar e ficar
E só
Saudade!

(GeraldoCunha/2018)

Sempre em ti


(Gostou? veja também Zero hora)///.
O tom da voz
Sussurrando silêncio
Envolve-me
Encanta-me
Seduz-me

O cheiro que exala
Do sem perfume
Enlaça-me
Confunde-me
Penetra-me
Estou em ti

O sabor da pele
Sentida ao toque
Alimenta-me
Completa-me
Aquece-me
Mergulho em ti

O brilho dos olhos
Que se querem abertos
Ruboriza-me
Hipnotiza-me
Percorre-me
Sempre em ti

(GeraldoCunha/2018)

Poema do otimismo


(curtiu? veja também Pormaduplo em oração
Acordei e coloquei um sorriso no rosto,
Escondi a tristeza debaixo da cama,
Coloquei o desânimo para repousar,
Que fique de pijama para não me acompanhar.

Que o dia entenda e corresponda,
Nem que seja sob a forma de pão bem quentinho,
Ou através daquela resposta tão aguardada,
Quem sabe trazendo notas de mudança.

Vou caminhar como em nuvens,
Sentindo cheiro de café coado,
Não escolhi meu melhor sorriso por nada,
Vesti de melhor roupagem para viver.

(GeraldoCunha/2018)

O que me faltou


(Gostou? veja também Sentimentos)///.
Sinto falta do amor,
Foram páginas viradas,
Papéis amarelados,
Canetas ressecadas,
Olhar perdido no nada,
Uma vida no vazio.

Amor que nunca tive,
Coração não desenhado,
Juras secretas rabiscadas,
Caderno abandonado,
Desejo não consumado,
Uma vida sem sentido.

Amor que nunca esteve,
Que não precisou ser esperado,
Que não soube ser cuidado,
Que nunca foi declamado,
Poltrona desocupada,
Uma vida sem desembarque.

(GeraldoCunha/2018)

Haikai 4


(Gostou? veja a série Sem indiretas)///.

Saliva suor
Sucumbe ao cansaço
Oásis além

(GeraldoCunha/2018)

Divagação 74

A cada poema escrito me dispo e desnudo vou revelando minhas verdades, disfarçando minhas mentiras, confessando meus medos, penitenciando meus erros, vangloriando minhas virtudes e na transparência das palavras me visto de quem verdadeiramente sou.

(GeraldoCunha/2018)

Paciência – (in)sano ser (reeditado)


(Gostou? veja também A canção)///.
Tenha paciência comigo.
Há um louco que me habita.
Às vezes nem mesmo eu o suporto.
Mas este ser insano, na verdade, é quem sou.
Suas insanidades me torna especial entre os demais.
Esta parte que mais o incomoda talvez seja o meu melhor.
Por isso mantenho-o inquilino, mesmo querendo despejá-lo.
Hoje este habitante é a justificativa para você querer tanto partir.
Ontem foi protagonista de tantas histórias que fez você querer ficar.

Publicado originalmente
(GeraldoCunha/2017)

Entre nuvens


(Gostou? veja também Love)//.
Hoje afastei nuvens
Para ver o sol corar sua face
Seus olhos refletirem o celeste
O rubor dominar seu sentir
Ao encontro de mãos
Ao tremor das vozes

Hoje seduzi a estrela maior
Para que girasse ao nosso redor
Contrariando o sistema solar
Prolongando ao máximo o dia
Só por querermos ficar e ficar
Até o desejo não mais aguentar

Hoje tomei de empréstimo a lua
Que ao pôr do sol ainda se cobria
Entre nuvens escondida no ocaso
Só para entregar a você o anoitecer
E na noite nos comprometermos
Na penumbra que anuncia

Hoje colhi nuvens
As que não escaparam às mãos
Para servirem de leito
No calor em êxtase
Para aquecerem o calafrio ao toque
No aconchego dos corpos

Hoje convoquei as estrelas
Para explodirem no céu
Compondo balé e sinfonia
Desenhando nossa história
Descortinando nosso segredo
Denunciando nosso amor

Entre nuvens, encontramos
Entre nuvens, ficamos
Entre nuvens, desejamos
Entre nuvens, amamos
Entre nuvens, adormecemos
Entre nuvens, amanhecemos

(GeraldoCunha/2018)