Poema da restauração


(gostou? veja também: Prisioneiro)
Destruído, reduzido a fragmentos.
Desgastado, convertido a pó.
Desolado, submerso em lágrimas.
Descrente, vergado sem resignar.

Remendado por mãos de afeto.
Recuperado por lábios de ternura.
Renovado por olhos de acolhimento.
Restaurado em sua completude.

Sublime renasce como fênix.
Soberano sopra as cinzas e voa.
Sobe aos céus revelando-se.
Suplantada a escuridão, faz-se luz.

(GeraldoCunha/2018)

12 comentários sobre “Poema da restauração

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s