Sobre não mais

Deixei para trás os trapos.
Desnudo me reinventei.
Que outros os carreguem.
Mas que não me sigam!

Abandonei as convicções ultrapassadas.
Descrente fui em busca de novo saber.
Que outros se agarrem àquelas convicções.
Mas que não me sigam!

Despreocupei com sinais não correspondidos.
Desiludido procurei outras formas de comunicação.
Que outros continuem insistindo em sinais inócuos.
Mas que não me sigam!

(GeraldoCunha/2017)