Palavras – Liberdade poética

Não tenho mais as palavras.
Me foram, roubadas.
Me foram, poupadas.
Não me foram devolvidas.

Não temos mais as palavras.
Se foram, usadas.
Se foram, apagadas.
Não se foram recuperadas.

Não tendes mais as palavras.
Lhes foram, caçadas.
Lhes foram, negadas.
Não lhes foram pronunciadas.

Não temos mais me.
Não temeremos mais se.
Não tememos mais lhes.
Temos mais liberdade poética.

(GeraldoCunha/2017)