Prisioneiro

Prisioneiro dos meus desejos.
Escravo das minhas convicções.
Soterrado por ideologias.
Sufocado por rancores.
Paralisado fiquei.

Serrando grades.
Rompendo correntes.
Emergindo para o novo.
Respirando perdão.
Ensaio um movimento.

Liberto, não sei por onde ir.
Sem rumo, não quero voltar.
Angustiado, tento resistir.
Consciente, não caibo naquele espaço.
Convicto, tenho esperança.

Deixo pelo caminho correntes.
Leve, não sinto mais seu peso.
Sereno, não sinto mais aquela dor.
Estranho, não me reconheço mais.
Resoluto, não olho para trás.

Relutante, controlo os desejos.
Equilibrado, pondero convicções.
Sábio, revejo ideais.
Livre, resisto ao desapego.
Sem correntes e grades, hoje sou prisioneiro da liberdade.

(GeraldoCunha/2017)

2 comentários sobre “Prisioneiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s