Poema da preguiça


Há tanto para se fazer, mas não por agora.
Há tempo de sobra, muitos são os relógios.

É o deixar para amanhã, com sensação de culpa.
É o desperdício do tempo, sabendo que não há volta.

E o agora vai ficando para depois, sem nunca chegar.
E por agora é o suficiente, pois o depois parece não ter hora.

É o querer ficar, ficar e só ficar.
É o querer segurar os ponteiros do relógio.

É o tempo da sempre espera, sem qualquer realização.
É o tempo mesmo de esquecer e de perder a razão.

(GeraldoCunha/2017)