O para sempre se foi


(Gostou? veja também: Saudade é não poder voltar)…
Sofro todos os dias sua ausência,
foi cedo demais no meu modo de pensar.
Acreditava no eterno, pois é o que permite viver,
sabendo que o fim inevitável é a morte.

Outras ausências também são sentidas,
mas nelas sempre há a esperança do voltar.
Mas o momento da partida chegou, inesperadamente,
dando pouco espaço de tempo para uma despedida.

E quem queria se despedir, sabendo que o para sempre estava ali?
Sofro só a sua ausência, pois em vida fomos você e eu, só.

É incompreensível no pensar do outro, no meu não!
Você foi só e eu fiquei só.
Não me revolto, nem me agarro a este sentimento,
apenas me entristeço às vezes, outras me alegro lembrando.

Sua presença, na ausência, ainda é muito forte,
tem memória, mas não tem o cheiro, o contato, o ouvir.
Sofro, pois uma parte de mim, do meu melhor,
se foi e não há como recompor ou substituir.

Há apenas como se adaptar e seguir.

(GeraldoCunha/2017v)