Divagação 16

Não me peça para perdoar hoje. Amanhã? Talvez. Um dia? Quem sabe.


(GeraldoCunha/2016)