Imagem

Arte e competição

Não gosto muito destes programas de competições.
Como escolher o melhor quando se fala de arte?
Qual a medida ou critério para pontuar a arte?
A competição é necessária para que estes programas funcionem.
Porém não é o mais importante para quem os assiste.
O espetacular é poder ver tantos talentos escondidos
Curiosamente, apresentados pelos canais de “comunicação de massa” que nos impõe tanta limitação na arte.
(GeraldoCunha/2016)

Divagação 3

A perpetuação da mentira a torna uma verdade quase absoluta.
Se se pode dizer que o absoluto permite o quase.


(GeraldoCunha/2016)

Escrever liberta

Não sou escritor.
Mas escrevo.
A escrita me liberta.

Não sei se serei lido.
Não sei se serei compreendido.
Não sei se serei amado.
Não sei se serei ignorado.

Ao escrever deposito nas letras minhas alegrias e as tristezas.
Liberto dos sentimentos que povoam minha mente.
Dou espaço para outros ocuparem esse mesmo lugar.
E necessito escrever.
Assim vou vivendo.

Às vezes negando quem sou.
Às vezes me conformando.
Mas sempre escravo dos meus pnsamentos.

(GeraldoCunha/2016)

Impuro e virtuoso – Excerto

Impuro ontem, virtuoso hoje.
Um mesmo corpo e uma mesma mente podem abrigar.
Disso sei eu ….. e outros saberão.
O que pesa é o julgamento.
Não somos o que confessamos.
O que se vê não passa de ilusão.
É apenas aquilo que você prefere enxergar.
Para você não passo de uma ilusão.
Sou alma retocada.


(GeraldoCunha/2016)

Divagação 2

Barulho ensurdecedor do silêncio.
Interrompodo pelo suspiro de sentimentos confusos de uma mente embaralhada.
Aconchego de ideias!
E só.

(GeraldoCunha/2016)

Pena de nós brasileiros – Excerto

Tranquem a nós em uma jaula, alimente e dê água, para assistirmos a este cenário triste.
É o que nos resta diante da podridão de nossas instituições.
Lutam pelo poder e não pelo povo, esqueceram um dos elementos do Estado.
Que um, pelo menos um, desses três Poderes se manifeste legitimamente a favor do Povo, esquecendo as vaidades e o benefício próprio.
(GeraldoCunha/2016)

Amigo

Perto ou longe, sinto-me acarinhado pelos amigos, por seus gestos simples, às vezes nem por eles percebidos; por seus cuidados bobos, que em tom de galhardia, ofertam aconchego; aquele colo invisível, que fingimos negar querer, mas que, lá no íntimo, é o que todos nós queremos.
(GeraldoCunha/2016)

Ser observado

Ser observado! É bom, mas não basta!
Observar! É bom, nutre de ideias e desejos, mas não basta!
Ser virtual! É bom, sentir-se parte de algo, imaginar que compartilha, mas não basta!
Talvez seja a hora de fazer a diferença.
Ganha quem arriscar!
É ótimo e pode bastar.


(GeraldoCunha/2016)