Memórias- Poema da arrogância 2018

Série desempoeirados poemas – Bagunce tudo e fique

Série sentimentais – Grite o silencio

no sufoco
internalize
o necessário
solte
o grito
oco
agonize a dor
que corrói
anseie
a liberdade
presa
na ansiedade
inexplicável

(GeraldoCunha/ 2022)

Série improváveis- nosso tempo

Todos temos nosso tempo
para tomar decisões
para fazer o que nos propomos
para não fazer nada

Todos temos nosso tempo
para não importar
para gritar
para parar tudo

Todos temos nosso tempo
e temos a pressão
do para ontem
do para agora
do correr contra o tempo

Todos temos nosso tempo
e o livre arbítrio de dizer
agora não!

(GeraldoCunha/2022)

Série cotidianos – Folha verde

Série O poeta – Sangra

Série sentimentais – aqueça

Série ilustrações – o poema Vasos & Flores foi inspiração

Vasos & Flores

Balaio bom é balaio surrado, sem tampa, furado, que carrega flores e vai deixando sementes na terra e perfume pelo ar.

Em vasos cultivamos vida;

flores que nascem, crescem

[encantam;

depositamos nossos desejos,

de felicidade, melhores dias, o beijo;

guardamos nossa saudade,

margaridas, rosas, tulipas, amor-perfeito, cravo;

sepultamos nossa esperança,

com flores de plástico, que desbotam com o sol e derretem com a chuva.

Bordados, pintados, coloridos.

Os vasos ressignificam o barro,

moldados às formas dos mais variados.

Decorados , são poesias escritas com flores, folhas, ramos.

Serviço ilustração: caneta preta, esfumaçado de grafite no papel 150 g

(GeraldoCunha)

Desempoeirados poemas- Cores

Série O poeta – Bloquinho

Folheadas as páginas

do bloquinho de anotações

carregado no bolso da camisa,

amassado, macerado pelo tempo da escrita e das rasuras, observa o

branco contraste do ontem escrito com o cinza dos sentimentos que não afloram. O papel não segura o risco do grafite.

O poeta descansa o toco do lápis no canto da boca,

olha para o horizonte, enxerga um infinito sob a copa das árvores, respira, fecha o bloquinho, o recoloca no bolso e volta a caminhar.

Caminhar hoje é a poesia.

(GeraldoCunha/2022)

Minissérie Pássaros- Sofrê / Corrupião

Minissérie Pássaros- Gaturamo / Fim/fim

Minissérie Pássaros- Sabiá-laranjeira

Minissérie Pássaros- Alma-de-gato

Minissérie Pássaros – Cardeal da Amazônia

Minissérie Pássaros – Pássaro preto

Minissérie Pássaros – apresentação

Lançada originalmente no Instagram esta minissérie de desenho a cores e versos é sobre os sentimentos que os pássaros, os desenhos e as cores nos transmitem.

Não tivesse eu me arriscado nos traços e na escrita e me desavergonhado de mostrá-los não teria enxergado a beleza de tantas descobertas e os tantos caminhos que se abrem.

GeraldoCunha/2022

Série cotidianos – o vento e o tempo

Os pássaros desenham na janela

[cânticos

O beija-flor raro com o sobrevoo suas asas

minhas asas

desenhamos mandalas

[na varanda no reflexo do vidro no pensamento no papel

as plantas agradecem o frescor

brisa no esguicho da água

umedece a terra

alimenta pela raiz

O vento

sempre é o vento

que derruba o lápis

sacode as folhas

sopra no ouvido

leva o beija-flor

suspiro

onde está Bibiana?

nostálgico

esquecido dos pensamentos

volto ao papel

e desenho recordações

o tempo é o vento

“Nasci em um dia de vento, como esse, e a velha tesoura de minha bisavó me separou de minha mãe.”

(O tempo é o vento – Érico Veríssimo)

GeraldoCunha/ 2022

Série sentimentais – É preciso

Série Ateliê digital – telas

Tela: O barco
Tela: miragem
Tela: solitude
Tela: A borboleta azul
Tela: mergulho

Artista: GeraldoCunha

Serviço: Telas desenhadas em processo digital

Série desempoeirados poemas – Aos mestres com amor

Série de improviso- Seja feliz

Seja!

Arraste os móveis para o canto

(Quem nunca pensou nisto?)

Assente a vergonha na cadeira mais distante.

E dance!

(Quem nunca fez isto, que atire a primeira flor)

Ligue o som, apague a luz

e…

Seja

Feliz.

Você.

e

não se julgue.

Assente os preconceitos nas cadeiras (aquelas que estão ao lado da vergonha).

Se for da ousadia,

Abra a porta e os expulse junto com a vergonha!

(GeraldoCunha/2022)

Ilustração GeraldoCunha

Série improváveis – Traços

Não persiga a beleza fugaz.
Não busque a perfeição
[dos traços.
Alcance a delicadeza dos sentimentos,
transmitidos pelos riscos na pele.
Deseje conhecer os segredos de cada uma das cicatrizes
e ame, ame, ame… o que nelas é representação de um trajetória:
Pois o final é só o não existir de quem vai,
sustentado pela saudade de alguns que ficam.

(GeraldoCunha/2022)

Série leituras & percepções – Tutameia (terceiras estórias) João Guimarães Rosa


“Conte-se que uma vez”…(Estória nº 3), “Saudade maior eram: a Barra, o rio, o lugar, a gente” (Barra da Vaca).
Arenoso solo o das palavras,
de encantamento,
desbravadores…
Serenam os olhos.
Hilaridade,
senso de humor. jocosidade.
“Quero o bom-bocado que não fiz,, quero gente sensível”. (Esses Lopes)
“O mundo se repete mal é porque há um imperceptível avanço” (Lá, mas campinas)
“A vida são dívidas.A vida são coisas muito compridas.” (Melim-Meloso)
“0 mundo do rio não é o mundo da ponte” (Orientação)

A sensibilidade sertaneja,
que se protege com espingarda,
o puro encanto com as feias moças, que são é belas: “Tanto vai a nada flor, que um dia se despetala” (Arroio-das-antas).
Escorre qual sangue à faca,
o desajeitoso amor,
entre pedregulhos e rochedos.
A sol à pique. Memórias: “A gente se esquece – e as coisas lembram-se da gente” (Arroio-das-antas).

Dos pisos do comum,
nascidos do Urucúia, Abaeté, Rio Verde Pequeno, Santa-Rita, Curvello …
Enveredados,
no Sertão. Sertões. Ser tão.
Humana terra: “De novo o Mucual”(Droenha).
“Até aquele dia ele tinha sido imortal; perdeu-se as cascas” (Estória nº 3)

O Sertanejo desri da felicidade dessa gente:
“Felicidade se acha é só em horinhas de descuido …” (Barra da Vaca)
“O quanto, o silêncio” (intruge-se)

Ler O Rosa, em toda sua complexidade, é ao mesmo tempo um desafio e um deleite.
“Todo fim é exato. Só ficaram as flores” ((Reminisção)
“A vida como não a temos”. (Quadrinho de estória)
“A noite, o tempo, o mundo, rodam com precisão legítima de aparelho”
(Quadrinho de estória)
“Idade é a qualidade” (Esses Lopes)
“Meu gosto agora é ser feliz, em uso, no sofrer e no regalo ” (Esses Lopes)
“Para trás, o que passei, foi arremendando e esquecendo. Ainda achei o fundo do meu coração.” (Esses Lopes)

“A cada sete batidas um coração discorda” (Estorinha)
“Ixe, coragem também carece de ter prática” (Hiato)

“0 amor é breve ou longo, como a arte e a vida” (orientação)
“A gente quer mas não consegue furtar no peso da vida” (Rebimba, o bom)
“0 mal não tem miolo” (Rebimba, o bom)

Penso que O Guimarães fica de lá do seu Sertão, rindo destes Sertanejos tentando decifrar suas prosas poéticas. E ele que só queria uma boa prosa.

(GeraldoCunha/2022)

Contagem regressiva

Contagem regressiva

para corrigir a insensatez.

Se é possível!

Anos enojados sob fingidos aplausos.

Asco!

Dia a dia de ódios. 365. mais 365. mais 365 … passam.

Não passam as dores… não passam!

Não passa o insulto à inteligência.

Tic tac

Tic tac

Ânimos exacerbados

pelos caprichos de uns e de outros,

pela complacência de tantos e a ignorância de muitos.

Ouro de tolo.

Comprado às misérias humanas,

enquanto clamam misericórdia

de quem professa o falso.

Profanos!

e o estrago está feito.

É devastação por todos os lados,

como na real profecia!

quem não enxerga não quer é ver

quem escuta não pensa. apenas escuta…

Tic tac

Tic tac

É tempo? Há tempo?

Há do verbo haverá,

se o futuro for presente.

O pretérito? foi imperfeito.

Escute para atrás!

Pense para à frente!

Há de se compreender para além do individualismo.

Praticar o verbo coletivo.

Diante de tanto desrespeito,

neste jogo jogado nos últimos anos,

em que a mesa foi detalhadamente posta,

em que não se esconderam as cartas nas mangas,

ao contrário!

Foram jogadas a céu aberto, sob holofotes de mentiras.

Blefe, muito blefe

E tudo era tão óbvio.

Quem ganhou? Quantos ganharam? Você ganhou?

Seus aplausos ocos resultaram?

Pergunte-se.

Olhe ao arredor … as pessoas, o que restou dos laços, fragilizados, rompidos, para o deleite do opressor.

E há os que ainda se prestam a fantoches.

Rasguem as cartas, virem a mesa, troquem os jogadores.

Que comece uma nova partida!

Tic tac

Tic tac

Não precisa ser bomba relógio.

Correm as horas,

se há tempo

é de corrigir ou repetir o erro.

Para repetir não precisa nenhum esforço é o que está ai,

escancarado! De riso frouxo, com nome, sobrenome e crias.

Para corrigir tem que se ter coragem para enfrentar os incautos.

Ensinar e aprender: nada de bom vem de quem prega o ódio, não há um meio termo.

E o ódio nunca é tão bem disfarçado, traído pela vaidade.

A lição? De onde sai um, outros tantos surgem, de igual índole! Feito Gremlins, que expostos à luz, água ou alimentados depois da meia-noite, mostram a verdadeira face.

Tic tac

Tic tac

(GeraldoCunha)

Um pouco de Improváveis/livro de poemas

Aquisição pelo Mercado Livre e Amazon

(Pesquisem valor do frete, tem diferença de uma loja para outra)

Sempre tem novidades sobre o livro no Instagram divagações.geraldocunha (@)

Vamos fazer um sorteio do livro exclusivamente no Instagram dia 01/03/2022, então… entra lá para conferir as regras e participar .

Série O poeta- o que resta é o apontador

Sem quase perspectiva,

deixei desarrumada a cama,

as roupas ficaram espalhadas,

quis as cortinas cerradas,

os papéis amassados,

atirados,

ficados à mesa,

jogados ao chão,

pisoteados.

Sobre a mesa debrucei

os restos de mim,

e só fiquei,

corpo jogado,

além de mim,

papéis, brancos amassados papéis,

sem expressão, sem impressão.

Lápis derrubado,

esquecido, desapontado.

Uma réstia,

de mim,

de luz,

fresta,

de olhos.

Um apontador,

um não desistir,

Um cansaço de não mais,

[vencido?

Encorajados rabiscos,

uma ponta afiada,

um papel desembolado,

uma cena,

sobre a mesa,

perspectiva…

um poeta adormece.

(GeraldoCunha/2022)

Série Senhores dos absurdos

Não dá para dizer

É alienação.

Diante de tantas barbáries

Que os ouvidos escutam

Não há como validar comportamentos

Muito dos que se vê dos que insistem em não

Enxergar

Mostra do caráter o que antes se escondia

Não se defenda dizendo: não faça julgamentos!

Não é um julgamento é uma constatação

(GeraldoCunha)

Série desempoeirados poemas- Prateleiras

As prateleiras da minha estante são bagunçadas.
Não separo meus livros por assunto, autoria ou região,
Todos que lá estão são importantes ou não estariam.
De tempos em tempos mudos-os de seus lugares,
Dicionários estão espalhados por todos os lados,
Para que não permaneçam mudos e conversem entre si.

Em meio ao monótono dos livros enfileirados ou sobrepostos,
Provoco o caos revisitando memórias e momentos congelados.
Espalhando lembranças de lugares idos e de saudades tantas.
Faço dos livros a companhia para os objetos presenteados,
Digo quem sou através daqueles colecionáveis,
Esperando que escrevam a minha biografia.

GeraldoCunha- o ano foi 2020

Série cotidianos – Cultivo

A planta que você me deu morreu!
Penso que teve todos os cuidados de minha parte.
Mesmo assim, foi definhando e morreu. Eu me penitencio, faço auto julgamento. E não entendo.
Escolhi o melhor lugar, para colocar o mais bonito vaso, que chegou inundando dos afetos.
Talvez tenha havido excessos para mais? Se me permite a redundância.
De água, de adubo, de carinho. Dizem que carinho pode sufocar, disto não sei! Sigo acarinhando!
Pode ser que tenha sido excesso para menos. E nem sei se excesso é conta que se faça para menos!
O menos de água, o pouco do revolver a terra, o abandono pelas ausências sem aviso prévio, falta de ar das janelas fechadas. Conquanto tudo isto, carinho de menos não teve! Meu olhar sempre foi de alegria, a cada encontro e reencontro. Satisfação com as conquistas, uma folha que surgia, motivo de comemoração. A tentativa da flor, êxtase. Não bastou. Mesmo no silêncio da resposta conversava, tentava compreender, pelos gestos, no movimento das folhas.
Se falhei foi culpa dos excessos, para mais e para menos. Reconheço os meus excessos.
Sigo, tentando encontrar o ponto de equilíbrio!

A planta de você me deu morreu!
Mas antes de partir me deixou uma pequena mudinha, que ainda insisto em cultivar!

Escrevo este desabafo em forma de poema
e deixo publicado em um livro!
Porquê você também não está mais aqui.

(GeraldoCunha/2022)